A busca pela passividade do tecido peri implantar frente a utilização de implantes dentários com terço cervical polido

A compressão dos mecanismos que favorecem a estabilidade e a integridade da dimensão óssea bem como, a do tecido peri-implantar, ao longo do tempo, será fator determinante nas inovações dos desenhos e tratamentos de superfície dos implantes osseointegráveis (8,6, 4,5). Embora a adesão e a proliferação celular em superfícies de implantes dentários serem consideradas pré-requisitos para o início de reparação óssea, o maior desafio será a capacidade de a estrutura do implante orientar essa diferenciação (12).

Aspectos desafiadores como a estabilização do nível do ósseo e a manutenção da integridade dos tecidos moles na cicatrização são considerados fatores críticos e primordiais para garantir a função, a estética e, consequentemente, o sucesso com a utilização dos implantes dentários (17 ,12, 2, 5).

Existem evidências científicas que as características na superfície da porção cervical do implante dentário podem preservar tecidos moles e duros proporcionando melhores propriedades mecânicas, biológicas e melhores resultados estéticos (6, 13)

Um design liso na porção cervical do implante garante um menor acúmulo de placa (15) e uma melhor acomodação dos tecidos moles na região peri-implantar (7).

A ausência de ligamento periodontal, cemento radicular e inserção de tecido conjuntivo ao redor dos implantes dentários podem tornar os tecidos peri-implantares mais susceptíveis ao desenvolvimento de resposta inflamatória frente ao acúmulo de placa e a invasão microbiana (1,16). A saúde e a estabilidade da mucosa peri-implantar afeta diretamente a estética com a utilização dos implantes dentários (2). O selamento frágil entre a superfície do implante e do tecido peri-implante é cada vez mais visto como um problema, uma vez que a sua fragilidade se traduz em um aumento do risco de inflamação (2).

 

RELATO DE CASO

Um paciente leucoderma, 40 anos, gênero masculino apresentou-se na DSP Science Training Center (Campo Largo – PR) tendo como queixa principal a estética em região anterior de maxila, especificamente, nos elementos dentais 11 e 12 (FDI – Federation Dentaire Internationale) – (figura 1).

Através do exame clínico foi constatado posicionamento palatinizado do incisivo lateral superior direito (figura 2) e coroa acrílica insatisfatória no incisivo central superior direto. Mesmo informado e orientado o paciente não autorizou o tratamento ortodôntico optando pelo tratamento reabilitar envolvendo exodontia do elemento 12 e instalação de implante dentário imediato na região. Exames tomográficos mostraram uma quantidade óssea suficiente para instalação de implante (figura 3) e uma condição radicular satisfatória no dente 11.

Exames pré-operatórios foram solicitados comprovando a condição sistêmica do paciente. O plano de tratamento proposto foi a exodontia do dente 12, instalação imediata de implante dentário na região, remoção da coroa existente no dente 11 e confecção de novas coroas provisórias nas duas regiões.

Procedeu-se a exodontia do dente 12. A fresagem do alvéolo pós-exodontia para instalação do implante foi realizado conforme recomendações do fabricante para Implante do tipo cone Morse Indexado ImplantPerio 3,8x13mm (DSP Biomedical, Campo Largo, Brasil) – (Figura 4).

01

Figura 1 – Vista frontal da área de interesse. Coroa acrílica insatisfatória no dente 11, diastema e posição palatinizada do dente 12.

02

Figura 2 – Vista Oclusal da maxila. Posição palatinizada do elemento dental 12

03

Figura 3 – Cortes parassagitais de tomografia computadorizada de feixe cônico (CBCT) na região do dente 12.

04

Figura 4 – ImplantPerio 3,8x13mm

O implante foi posicionado mantendo a sua superfície lisa da porção cervical acima da crista óssea palatina (figura 5). O início da superfície rugosa na região cervical do implante dentário coincidiu com a crista óssea palatina. Em virtude da estabilidade primária inferior a 32N.cm ficou inviabilizado o provisório imediato sobre o implante instalado.

O implante ficou submerso com um protetor de implante no mesmo nível que a porção cervical do implante. Foi realizado um selamento do alvéolo com “tampão” de enxerto gengival sendo a região palatina, a doadora (Figuras 6 e 7).

Após a remoção do tecido gengival foi realizada a sutura na região doadora e na região receptora (figura 8), respectivamente. Foi realizada a remoção da coroa total existente no elemento 11 e na sequência adaptação, reembasamento e ajuste de nova prótese múltipla provisória previamente confeccionada em laboratório com cantilever no 22 (figura 9). O provisório na região do 22 teve ligeiro afastamento da região do enxerto mantendo espaço para higienização. A prótese provisória foi cimentada (figura 10).

O implante será submetido a função após 4 meses com planejamento de enxerto conjuntivo durante a reabertura.

05

Figura 5 – Vista oclusal do implante instalado. Porção cervical lisa do implante foi posicionada acima da crista óssea palatina.

06

Figura 6 – Delimitação da extensão do enxerto na área doadora (região palatina).

07

Figura 7 – Enxerto gengival livre removido.

08

Figura 8 – Estabilização e sutura do enxerto gengival livre na região receptora.

09

Figura 9 -– Prótese provisória instalada (Cantilever no 12).

10

Figura 10 – Linha do sorriso pós-operatória

 

COMENTÁRIOS

• A seleção de um implante dentário com porção cervical lisa para a região ocorreu para permitir uma acomodação passiva dos tecidos moles na região peri-implantar.

• A instalação do implante osseointegrável foi realizado em alveólo fresco após a extração pois estudos indicam o benefício da redução número de procedimentos cirúrgicos.

• Sabe-se que vários fatores influenciam a frequência e a extensão de recessão da margem gengival e incluem alterações dimensionais pós-exodontias, posicionamento do implante, biótipo periodontal, perfil de emergência protético, defeitos ósseos vestibulares e cirurgia minimamente traumática.

• Para a técnica do selamento do alvéolo da extração preconizou-se um enxerto gengival livre (10) associado a instalação do implante imediato. O formato do “tampão” gengival teve a dimensão do alvéolo com uma espessura aproximada 2 a 3mm. A função do tampão é minimizar a contração da margem gengival, reduzir o risco de contaminação bacteriana inicial pela exposição do alvéolo, exercer uma barreira mecânica contra interferências físicas e manter o coágulo inicial selado no período inicial da cicatrização.

O enxerto de tecido conjuntivo subepitelial proposto na reabertura poderá prevenir a perda volumétrica, horizontal e vertical dos tecidos peri-implantares 3,11.

________________________________________________________________________________________

Ricardo Denardi, coordenador do DSP Science Training Center e Especialista em Implantodontia
Ricardo Toscano, Mestre em Implantodontia, ILAPEO e Diretor Científico da DSP Biomedical
Marcelo Madeira, Clínico da DSP Oral Clinic

________________________________________________________________________________________

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 – Abrahamsson I, Berglundh T, Wennström J, Lindhe J. The peri-implant hard and soft tissues at different implant systems. A comparative study in the dog. Clin Oral Implants Res. 1996 Sep;7(3):212-9.
2 – Atsuta I, Ayukawa Y, Kondo R, Oshiro W, Matsuura Y, Furuhashi A, Tsukiyama Y, Koyano K. Soft tissue sealing around dental implants based on histological interpretation.J Prosthodont Res. 2016 Jan;60(1):3-11.
3 – Bratu EA, Tandlich M, Shapira L. A rough surface implant neck with microthreads reduces the amount of marginal bone loss: a prospective clinical study. Clin Oral Implants Res. 2009 Aug;20(8):827-32.
4 – Buser D, Martin W, Belser UC. Optimizing esthetics for implant restorations in the anterior maxilla: anatomic and surgical considerations. International Journal of Oral and Maxillofacial Implants 19(Suppl): 43–61.
5 – Chen ST, Buser D. Clinical and esthetic outcomes of implants placed in postextraction sites. International Journal of Oral and Maxillofacial Implants 2009; 24(Suppl): 186–217.
6 – Chou C, Morris HF, Ochi S, Walker L, DesRosiers D. AICRG, Part II: Crestal bone loss associated with the Ankylos implant: Loading to 36 months. J Oral Implantol. 2004;30:134-43.
7 – den Hartog L, Meijer HJ, Stegenga B, Tymstra N, Vissink A, Raghoebar GM.
Single implants with different neck designs in the aesthetic zone: a randomized clinical trial. Clin Oral Implants Res. 2011 Nov;22(11):1289-97.
8 – Doring K, Eisenmann E, Stiller M. Functional and esthetics considerations for single tooth ankylos implant-crowns: 8 years of clinical performance. J Oral Implantol. 2004;30:198-209.
9 – Grunder U. Stability of the mucosal topography around single-tooth implants and adjacent teeth: 1-year results. Int J Periodontics Restorative Dent. 2000 Feb;20(1):11-7.
10- Landsberg CJ, Bichacho N. A modified surgical/prosthetic approach for optimal single implant supported crown. Part I-The socket seal surgery. Pract Periodontics Aesthetics Dent. 1994 Mar:6 (2 Pt 1): 11-7; quiz 19.
11 – Nickenig HJ, Wichmann M, Schlegel KA, Nkenke E, Eitner S. Radiographic evaluation of marginal bone levels adjacent to parallel-screw cylinder machined-neck implants and rough-surfaced microthreaded implants using dig- itized panoramic radiographs. Clinical Oral Implants Research, 2009 Jun 20 (6): 550–554.
12 – Oliveira NC, Moura CC, Zanetta-Barbosa D, Mendonça DB, Cooper L, Mendonça G, et al. Effects of titanium surface anodization with CaP incorporation on human osteoblastic response. Mater Sci Eng C Mater Biol Appl. 2013: 33(4):1958-62.
13 – Schwarz F, Ferrari D, Herten M, Mihatovic I, Wieland M, Sager M, Becker J. Effects of surface hydrophilicity and microtopography on early stages of soft and hard tissue integration at non-submerged titanium implants: an immunohistochemical study in dogs. Journal of Periodontology 2007 Nov;78(11): 2171–2184.
14 – Shin YK, Han CH, Heo SJ, Kim S, Chun HJ. Radiographic evaluation of marginal bone level around implants with different neck designs after 1 year. Int J Oral Maxillofac Implants. 2006 Sep-Oct;21(5):789-94.
15 – Teughels W, Van Assche N, Sliepen I, Quirynen M.Effect of material characteristics and/or surface topography on biofilm development. Clinical Oral Implants Research. 2006 Oct;17 Suppl 2:68-8.
16 – Toijanic JA, Ward CB, Gewerth ME, Banakis ML.A longitudinal clinical comparison of plaque-induced inflammation between gingival and peri-implant soft tissues in the maxilla.
J Periodontol. 2001 Sep;72(9):1139-45.
17- Vinnakota DN, Akula SR, Krishna Reddy VV, Sankar VV. A staged approach of implant placement in immediate extraction sockets for preservation of peri‐implant soft and hard tissue. Journal of Indian Society of Periodontology. 2014 Mar/Apr;18(2): 267-71.

Comentários

comentários