heoucm

Você usa Hexagono Externo ou Cone Morse?

Esta pergunta é bem comum de escutar entre os profissionais especializados em implantodontia. Porém, as respostas não são sempre coincidentes. Ainda nos deparamos com outra questão, quando você usa Hexágono Externo e quando você usa Cone Morse em suas reabilitações? Nas respostas aqui encontramos também divergências dos profissionais questionados.

Em cima destes questionamentos a implantodontia tem se esmerado para aprimorar suas características biológicas e mecânicas. Todavia todo o desafio se faz em oferecer um tratamento reabilitador estético possibilitando a higidez dos tecidos periimplantares.

Para esse equilíbrio acontecer, diversos fatores devem ser observados; critérios na seleção do tipo de plataforma protética e do implante relacionando com o volume ósseo disponível, como leito receptor e características dos tecidos moles envolvidos.

A resolução do relato de caso descrito abaixo se permeou na clínica, baseada em evidencias científicas e, avaliando de maneira isolada os critérios de seleção das plataformas protéticas.

O uso do hexágono externo foi adotado baseado na altura do remanescente ósseo e por ser aplicado para reabilitação de próteses múltiplas em áreas não estéticas, enquanto para o Cone Morse optamos como primeira opção para casos unitários, visando alta performance clínica, devido a suas características mecânicas e biológicas.

 

Relato caso 

Paciente com 58 anos procurou atendimento odontológico no DSP Science Training Center devido à ausência dos elemento dentários 36, 37 e 46,  tendo como queixa principal a dificuldade em mastigar.

Foi realizada uma avaliação clínica e a radiográfica. Previamente a cirurgia, exames pré operatórios foram solicitados, comprovando um estado de saúde estável e sem distúrbio sistêmico.

Com a análise do exame tomográfico,  observamos a possibilidade de instalação de implantes com no máximo 8,5 mm de altura, respeitando a margem de segurança sem procedimentos

Complementares, como enxerto e lateralização de nervo, e na região do elemento 46 observou-se a possibilidade de instalação de implante de 14mm de altura, respeitando as estruturas anatômicas de interesse.

O tratamento proposto e executado consistiu na instalação de implantes hexágono externo Biofit 3,5 x8,5mm na região 36/37 e mini pilar como componente protético para confecção de prótese múltiplas e instalação de implante Cone Morse Wayfit 3,8x 11,5 mm, ficando 2mm infra ósseo na região do 46 e FlexCone como componente protético para prótese unitária.

Adotou-se esta abordagem baseado na altura óssea e característica dos tecidos moles existentes, otimizando a configuração da reabilitação protética final.

Após 3 meses da instalação dos implantes iniciou-se a reabilitação protética. Na moldagem utilizou-se transfer com moldeira fechada. Após a prova da estrutura metálica e referência de mordida se iniciou-se a entrega das próteses de metal cerâmicas retidas por parafuso.

Caso Clínico produzido por MSC Ricardo Toscano, Diretor Científico da DSP Biomedical, Mestre em Implantodontia 

Referências

ARAÚJO, C. R. P. Estudo da precisão e fidelidade da técnica radiográfica convencional na avaliação do comportamento ósseo marginal em implantes Cone Morse e Hexágono Externo inseridos imediata e tardiamente à extração e submetidos à carga imediata em cães. Bauru: [s.n.], 2011.

BARBOSA, G. A. S.; BERNARDES, S. R.; NEVES, F. D. et al., Relation between implant/abutment vertical misfit and torque loss of abutment screws. Braz. dent. J., v. 19, n. 4, p. 358-63, 2008.
CASPAR, R. C.; BARROS, V. M.; SIMÃO, A. B. R. et al., Reabilitação estética e funcional utilizando implante cone morse: Relato de caso clínico. Belo Horizonte: Universidade Federal Minas Gerais, 2012. Disponível em: <http://www.somge.org.br/revista/index.php/RCSOMGE/article/viewFile/7/6> Acesso em: 04 mar. 2015.

FREITAS, R.; MANFRIN, T.; MAIA, P. et al., Limitações clínicas nas próteses implantorretidas com conexões tipo cone morse (sem indexador) / Clinical limitations of cone morse (no index) implant-supported dental prostheses Innov. Implant. J. Biomater. Esthet., v. 6, n. 1, p. 72-9, 2011.

GONÇALVES, A. R. Q.; TEIXEIRA, M. S.; MATTOS F. R. et al., Comportamento biomecânico de implantes de hexágono interno e externo. Rev. Gaúcha Odontol., Porto Alegre, v. 58, n. 3, p. 327-32, jul.,/set., 2010. LAMBERTI, V.; ALBERTO, J. É. Influencia de las caracteristicas estructurales de los implantes en el proceso de oseointegracion: revision de la literatura / Influence of the structural characteristics of the implants in the osseointegration process: review of the literature. Acta Odontol. Venez., v. 46, n. 4, p. 539-42, 2008.

OLIVEIRA NETO, L. A. Validação de uma máquina de testes de flexão rotacional e seus efeitos em implantes de hexágono externo e interno. 2013. 94 f. Tese (Doutorado em Ciências Odontológicas) – Universidade de São Paulo. OLIVEIRA, M. M.; MATSUMOTO, A. I. B.; CARDOSO, L. E. et al., Biomechanical analysis of three types of prosthetic connections on reduced diameter dental implants. Implant News, v. 11, n. 5, p. 595-9, 2014.

PANZA, L.; BOSCATTO, N.; ANTONINHA, A. et al., Evaluation of pre- tightening in abutments and prosthetic screws on different implant connections. Rev. Odonto Ciênc., v. 25, n. 3, p. 292-5, 2010.
PEREIRA, P. C.; FURTADO, S. N.; FONSECA, M. A. et al., Depth on probing for monitoring periimplant health around morse-cone connection: emphasis in periodontal phenotype. Periodontia, v. 20, n. 2, p. 76-82, 2010.

RAMOS NETO, A. S. Avaliação in vitro da capacidade de vedamento bacteriano da interface implante e componente protético em sistema cone Morse em função de alterações estruturais e uso de selantes industriais. 2013. 193 f. Tese (Doutorado em Ciências Odontológicas) – FOB. São Paulo, 2013. RICOMINI FILHO, A. P.; FERNANDES, F.S.F.; STRAIOTO, F.G. et al., Preload loss and bacterial penetration on different implant-abutment connection systems. Braz. dent. J., v. 21, n. 2, p. 123-9, 2010.

TABUSE, H. E.; CORRÊA, C. B.; VAZA, L. G. Comportamento biomecânico do sistema prótese/implante em região anterior de maxila: análise pelo método de ciclagem mecânica. Rev. Odontol. Unesp., v. 43, n. 1, p. 46-51, 2014. TEIXEIRA, E. R. Implantes dentários na reabilitação oral. Disponível em: <http://www.pucrs.br/repositório> Acesso em: 04 mar. 2015.

ZANARDI, P. R.; COSTA, B.; STEGUN, R. C. et al., Connecting accuracy of interchanged prosthetic abutments to different dental implants using scanning electron microscopy. Braz. dent. J., v. 23, v. 5, 2012.

 

abertura

Implante Flex Cone Slim

Paciente R.C.M, 26 anos, procurou atendimento no consultório particular para avaliar a possibilidade da instalação de implantes dentários para a reabilitação do dente 31 (incisivo central inferior esquerdo).

Clinicamente, observamos a presença do dente 71 na região do elemento 31. O dente 71 apresentava-se com mobilidade, reabsorção radicular, mas com ausência de sinais clínicos de patologias periodontais. Inicialmente solicitamos um exame radiográfico para uma melhor avaliação da estrutura anatômica do local indicado. Em sua anamnese não constatamos nenhuma alteração de saúde, alergias ou patologias de base dignas de nota.

foto-01

Radiografia Inicial

Em Abril de 2015 procedemos com a exodontia do dente 71 e a instalação imediata de um implante DSP Biomedical – Flexcone Slim. O implante escolhido tem uma plataforma tipo Flexcone de 3.0 mm de diâmetro, corpo do implante com 2.5 mm de diâmetro e 11,5 milímetros de comprimento. Temos, com esse modelo de implante, a opção de fazer uma prótese parafusada ou cimentada, com uma plataforma reduzida e um bom comprimento, o que garantiu uma boa estabilidade inicial. O rebordo ósseo, observado durante o procedimento de instalação do implante, apresentou-se com pouco espessura, o que impossibilitaria a instalação de um implante de diâmetro maior sem a utilização de materiais de enxertos e/ou do uso de técnicas de regeneração óssea guiada. Radiografia com implantes.

foto-02

Radiografia do Implante

 

Realizamos a instalação de um provisório adesivo imediato no local após a exodontia e a instalação do implantes Slim. No pós-operatório imediato a paciente retornou ao consultório após ter relatado a ocorrência de um trauma físico na região do implante instalado.

Observamos clinicamente uma leve movimentação palatina do implante instalado. Optamos, naquele momento, no reposicionamento digital do implante e na manutenção deste implante por 06 meses antes de iniciar sua ativação e a imposição de carga por meio de uma coroa provisória. Em outubro de 2015 procedemos então com a confecção e a instalação de uma coroa provisória cimentada. Já podemos observar neste momento uma boa manutenção das papilas gengivais medial e distal.

imagem-04-05

Durante o período de uso da coroa provisória, alteramos a anatomia e volume da coroa provisória como um conformador do desenho e arquitetura gengival.

foto-03_menor

Em junho de 2016 a paciente retorna para a confecção da coroa cerâmica sobre o implante. O implante apresentou-se radiograficamente e clinicamente estável.

Procedemos com a confecção da coroa cerâmica cimentada.

imagens-6-7-8-9-10

 

A paciente R.C.M segue em acompanhamento clínico e radiográfico apresentando bons resultados estéticos e funcionais para a reabilitação do dente 31.

Veja mais sobre o Implante FlexCone Slim em: http://dspbiomedical.com/flexcone/

 

Caso Clínico desenvolvido pelo Dr. Guilherme Rosetti

Pós Graduado e Especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial. Membro do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial Membro da International Association of Oral and Maxillofacial Surgery Membro do International Team for Implantology Filiado a AOCMF. Pós-graduação em Cirurgia Oral Menor Pós -graduação em Cirurgia da ATM Pós -graduação em Artroscopia da ATM.

04

A busca pela passividade do tecido peri implantar frente a utilização de implantes dentários com terço cervical polido

A compressão dos mecanismos que favorecem a estabilidade e a integridade da dimensão óssea bem como, a do tecido peri-implantar, ao longo do tempo, será fator determinante nas inovações dos desenhos e tratamentos de superfície dos implantes osseointegráveis (8,6, 4,5). Embora a adesão e a proliferação celular em superfícies de implantes dentários serem consideradas pré-requisitos para o início de reparação óssea, o maior desafio será a capacidade de a estrutura do implante orientar essa diferenciação (12).

Aspectos desafiadores como a estabilização do nível do ósseo e a manutenção da integridade dos tecidos moles na cicatrização são considerados fatores críticos e primordiais para garantir a função, a estética e, consequentemente, o sucesso com a utilização dos implantes dentários (17 ,12, 2, 5).

Existem evidências científicas que as características na superfície da porção cervical do implante dentário podem preservar tecidos moles e duros proporcionando melhores propriedades mecânicas, biológicas e melhores resultados estéticos (6, 13)

Um design liso na porção cervical do implante garante um menor acúmulo de placa (15) e uma melhor acomodação dos tecidos moles na região peri-implantar (7).

A ausência de ligamento periodontal, cemento radicular e inserção de tecido conjuntivo ao redor dos implantes dentários podem tornar os tecidos peri-implantares mais susceptíveis ao desenvolvimento de resposta inflamatória frente ao acúmulo de placa e a invasão microbiana (1,16). A saúde e a estabilidade da mucosa peri-implantar afeta diretamente a estética com a utilização dos implantes dentários (2). O selamento frágil entre a superfície do implante e do tecido peri-implante é cada vez mais visto como um problema, uma vez que a sua fragilidade se traduz em um aumento do risco de inflamação (2).

 

RELATO DE CASO

Um paciente leucoderma, 40 anos, gênero masculino apresentou-se na DSP Science Training Center (Campo Largo – PR) tendo como queixa principal a estética em região anterior de maxila, especificamente, nos elementos dentais 11 e 12 (FDI – Federation Dentaire Internationale) – (figura 1).

Através do exame clínico foi constatado posicionamento palatinizado do incisivo lateral superior direito (figura 2) e coroa acrílica insatisfatória no incisivo central superior direto. Mesmo informado e orientado o paciente não autorizou o tratamento ortodôntico optando pelo tratamento reabilitar envolvendo exodontia do elemento 12 e instalação de implante dentário imediato na região. Exames tomográficos mostraram uma quantidade óssea suficiente para instalação de implante (figura 3) e uma condição radicular satisfatória no dente 11.

Exames pré-operatórios foram solicitados comprovando a condição sistêmica do paciente. O plano de tratamento proposto foi a exodontia do dente 12, instalação imediata de implante dentário na região, remoção da coroa existente no dente 11 e confecção de novas coroas provisórias nas duas regiões.

Procedeu-se a exodontia do dente 12. A fresagem do alvéolo pós-exodontia para instalação do implante foi realizado conforme recomendações do fabricante para Implante do tipo cone Morse Indexado ImplantPerio 3,8x13mm (DSP Biomedical, Campo Largo, Brasil) – (Figura 4).

01

Figura 1 – Vista frontal da área de interesse. Coroa acrílica insatisfatória no dente 11, diastema e posição palatinizada do dente 12.

02

Figura 2 – Vista Oclusal da maxila. Posição palatinizada do elemento dental 12

03

Figura 3 – Cortes parassagitais de tomografia computadorizada de feixe cônico (CBCT) na região do dente 12.

04

Figura 4 – ImplantPerio 3,8x13mm

O implante foi posicionado mantendo a sua superfície lisa da porção cervical acima da crista óssea palatina (figura 5). O início da superfície rugosa na região cervical do implante dentário coincidiu com a crista óssea palatina. Em virtude da estabilidade primária inferior a 32N.cm ficou inviabilizado o provisório imediato sobre o implante instalado.

O implante ficou submerso com um protetor de implante no mesmo nível que a porção cervical do implante. Foi realizado um selamento do alvéolo com “tampão” de enxerto gengival sendo a região palatina, a doadora (Figuras 6 e 7).

Após a remoção do tecido gengival foi realizada a sutura na região doadora e na região receptora (figura 8), respectivamente. Foi realizada a remoção da coroa total existente no elemento 11 e na sequência adaptação, reembasamento e ajuste de nova prótese múltipla provisória previamente confeccionada em laboratório com cantilever no 22 (figura 9). O provisório na região do 22 teve ligeiro afastamento da região do enxerto mantendo espaço para higienização. A prótese provisória foi cimentada (figura 10).

O implante será submetido a função após 4 meses com planejamento de enxerto conjuntivo durante a reabertura.

05

Figura 5 – Vista oclusal do implante instalado. Porção cervical lisa do implante foi posicionada acima da crista óssea palatina.

06

Figura 6 – Delimitação da extensão do enxerto na área doadora (região palatina).

07

Figura 7 – Enxerto gengival livre removido.

08

Figura 8 – Estabilização e sutura do enxerto gengival livre na região receptora.

09

Figura 9 -– Prótese provisória instalada (Cantilever no 12).

10

Figura 10 – Linha do sorriso pós-operatória

 

COMENTÁRIOS

• A seleção de um implante dentário com porção cervical lisa para a região ocorreu para permitir uma acomodação passiva dos tecidos moles na região peri-implantar.

• A instalação do implante osseointegrável foi realizado em alveólo fresco após a extração pois estudos indicam o benefício da redução número de procedimentos cirúrgicos.

• Sabe-se que vários fatores influenciam a frequência e a extensão de recessão da margem gengival e incluem alterações dimensionais pós-exodontias, posicionamento do implante, biótipo periodontal, perfil de emergência protético, defeitos ósseos vestibulares e cirurgia minimamente traumática.

• Para a técnica do selamento do alvéolo da extração preconizou-se um enxerto gengival livre (10) associado a instalação do implante imediato. O formato do “tampão” gengival teve a dimensão do alvéolo com uma espessura aproximada 2 a 3mm. A função do tampão é minimizar a contração da margem gengival, reduzir o risco de contaminação bacteriana inicial pela exposição do alvéolo, exercer uma barreira mecânica contra interferências físicas e manter o coágulo inicial selado no período inicial da cicatrização.

O enxerto de tecido conjuntivo subepitelial proposto na reabertura poderá prevenir a perda volumétrica, horizontal e vertical dos tecidos peri-implantares 3,11.

________________________________________________________________________________________

Ricardo Denardi, coordenador do DSP Science Training Center e Especialista em Implantodontia
Ricardo Toscano, Mestre em Implantodontia, ILAPEO e Diretor Científico da DSP Biomedical
Marcelo Madeira, Clínico da DSP Oral Clinic

________________________________________________________________________________________

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 – Abrahamsson I, Berglundh T, Wennström J, Lindhe J. The peri-implant hard and soft tissues at different implant systems. A comparative study in the dog. Clin Oral Implants Res. 1996 Sep;7(3):212-9.
2 – Atsuta I, Ayukawa Y, Kondo R, Oshiro W, Matsuura Y, Furuhashi A, Tsukiyama Y, Koyano K. Soft tissue sealing around dental implants based on histological interpretation.J Prosthodont Res. 2016 Jan;60(1):3-11.
3 – Bratu EA, Tandlich M, Shapira L. A rough surface implant neck with microthreads reduces the amount of marginal bone loss: a prospective clinical study. Clin Oral Implants Res. 2009 Aug;20(8):827-32.
4 – Buser D, Martin W, Belser UC. Optimizing esthetics for implant restorations in the anterior maxilla: anatomic and surgical considerations. International Journal of Oral and Maxillofacial Implants 19(Suppl): 43–61.
5 – Chen ST, Buser D. Clinical and esthetic outcomes of implants placed in postextraction sites. International Journal of Oral and Maxillofacial Implants 2009; 24(Suppl): 186–217.
6 – Chou C, Morris HF, Ochi S, Walker L, DesRosiers D. AICRG, Part II: Crestal bone loss associated with the Ankylos implant: Loading to 36 months. J Oral Implantol. 2004;30:134-43.
7 – den Hartog L, Meijer HJ, Stegenga B, Tymstra N, Vissink A, Raghoebar GM.
Single implants with different neck designs in the aesthetic zone: a randomized clinical trial. Clin Oral Implants Res. 2011 Nov;22(11):1289-97.
8 – Doring K, Eisenmann E, Stiller M. Functional and esthetics considerations for single tooth ankylos implant-crowns: 8 years of clinical performance. J Oral Implantol. 2004;30:198-209.
9 – Grunder U. Stability of the mucosal topography around single-tooth implants and adjacent teeth: 1-year results. Int J Periodontics Restorative Dent. 2000 Feb;20(1):11-7.
10- Landsberg CJ, Bichacho N. A modified surgical/prosthetic approach for optimal single implant supported crown. Part I-The socket seal surgery. Pract Periodontics Aesthetics Dent. 1994 Mar:6 (2 Pt 1): 11-7; quiz 19.
11 – Nickenig HJ, Wichmann M, Schlegel KA, Nkenke E, Eitner S. Radiographic evaluation of marginal bone levels adjacent to parallel-screw cylinder machined-neck implants and rough-surfaced microthreaded implants using dig- itized panoramic radiographs. Clinical Oral Implants Research, 2009 Jun 20 (6): 550–554.
12 – Oliveira NC, Moura CC, Zanetta-Barbosa D, Mendonça DB, Cooper L, Mendonça G, et al. Effects of titanium surface anodization with CaP incorporation on human osteoblastic response. Mater Sci Eng C Mater Biol Appl. 2013: 33(4):1958-62.
13 – Schwarz F, Ferrari D, Herten M, Mihatovic I, Wieland M, Sager M, Becker J. Effects of surface hydrophilicity and microtopography on early stages of soft and hard tissue integration at non-submerged titanium implants: an immunohistochemical study in dogs. Journal of Periodontology 2007 Nov;78(11): 2171–2184.
14 – Shin YK, Han CH, Heo SJ, Kim S, Chun HJ. Radiographic evaluation of marginal bone level around implants with different neck designs after 1 year. Int J Oral Maxillofac Implants. 2006 Sep-Oct;21(5):789-94.
15 – Teughels W, Van Assche N, Sliepen I, Quirynen M.Effect of material characteristics and/or surface topography on biofilm development. Clinical Oral Implants Research. 2006 Oct;17 Suppl 2:68-8.
16 – Toijanic JA, Ward CB, Gewerth ME, Banakis ML.A longitudinal clinical comparison of plaque-induced inflammation between gingival and peri-implant soft tissues in the maxilla.
J Periodontol. 2001 Sep;72(9):1139-45.
17- Vinnakota DN, Akula SR, Krishna Reddy VV, Sankar VV. A staged approach of implant placement in immediate extraction sockets for preservation of peri‐implant soft and hard tissue. Journal of Indian Society of Periodontology. 2014 Mar/Apr;18(2): 267-71.
abertura

Implantes Cone Morse em rebordos estreitos. Qual componente aplicar?

Professor Paulo Nadin e Professor Miguel Nadin

O tratamento reabilitador com implantes exige um planejamento abrangente para se obter obter estética, função e longevidade, algumas ferramentas clinicas cirurgias como manipulação de tecidos moles podem ser aplicada para atingir alguns destes requisitos, como harmonia do sorriso e a saúde periimplantar. A reconstrução do volume vestibular se torna ainda mais desafiador, devido a fatores como a fonética, e a estética.Nas reabilitações parciais e totais esta manobra por vezes se torna inviável por questão do grande volume a ser enxertado e a area doadora ter limitações.

O planejamento do caso clinico passa pelo correto posicionamento tridimensional dos implantes, à correta quantidade e distribuição dos implantes ao longo do arco, e à correta escolha pelo tipo de implante, no que tange principalmente ao tipo de conexão e suas dimensões.
O componente selecionado pode estar associado a um resultado estético insatisfatório e dificuldades de higienização, prejudicando o prognostico do tratamento e higidez dos tecidos.

Com o uso de pilares intermediários nas próteses aparafusadas sobre implantes fatores relacionados ao espaço inter-oclusal, altura do tecido gengival, angulação da implante, custo da prótese podem ser conformizados.

Do ponto de vista biologico a literatura tem ressaltado que os implantes osseointegráveis podem ser afetados por transtornos decorrentes da formação de biofilme bacteriano em sua superfície. A região acometida envolve principalmente a conexão entre a plataforma do implante e o componente. Assim, tal situação pode culminar na formação de mucosites ou até mesmo perimplantites.
As modificações e variações no desenho dos implantes e componentes tem como tentativa correções de falhas e melhoria do resultado final, com essas alterações foram alcançadas melhora na manutenção da saúde periimplantar, melhor estética gengival e protética, maior estabilidade das próteses.
Uma perfeita adaptação entre o implante e o pilar, é um requisito básico para o sucesso dos tratamentos com implantes, havendo consenso que entre o implante e seu pilar deva ocorrer um perfeito velamento que separe o meio interno do externo assegurando que os tecidos periimplantares possam desempenhar normalmente as funções.

Os componentes Mini-flex cone DSP Biomedical ( Campo Largo/PR- Brasil ) entregam ao profissional características como plataforma de 3.0 e altura de 2,6 mm possibilitando uma correção de ate 25 graus entre componentes desta mesma especificação, possibilitando em casos Unitários , parciais e múltiplos resoluções protéticas diferenciadas ate então limitadas pelos componentes regulares.

As características mecânicas agregado nesta linha de componentes possibilitam a aplicação sobre os implantes em que se planeja maximizar os resultados biológicos, estéticos e fonéticos de areas com deficiência de tecidos moles e com restrições vestíbulo lingual dos tecidos.

RELATO DE CASO

A paciente apresentou em consultório particular com a queixa de estabilidade de suas próteses requisitando maior estabilidade salientando planejamento proposto foi primeiro protocolo inferior e protocolo superior seguindo esta sequencia que após consentimento da paciente se iniciou o processo restaurador.

O planejamento do protocolo inferior se optou pela tecnica All on four, usando implantes Cone Morse Soulfit 3.5 x 13mm DSP Biomedical ( Campo Largo, Pr- Brasil) e componentes Mini FlexCone DSP Biomedical ( Campo Largo, Pr- Brasil). O processo restaurador optou por carga imediata.

O planejamento do protocolo superior se optou pela instalação de seis implantes Cone Morse Soulfit DSP Biomedical ( Campo Largo, Pr- Brasil) de diâmetro 3.5 de diferentes comprimentos e componentes Mini FlexCone DSP Biomedical ( Campo Largo,Pr-Brasil).

A sequência clínica utilizada em ambos processos cirúrgicos foi padronizada. O planejamento reverso resultou na confecção da guia multifuncional. Esta guia foi utilizada durante o processo cirúrgico para estabelecer as posições que os implantes na estrutura óssea e durante o processo protético captura dos transferentes.

01

Após a instalação dos implantes foi executado a seleção e instalação dos componentes Mini FlexCone. Os critérios para seleção destes componentes se fez em se considerando sua propriedades mecânicas e biológicas pois este entrega em suas características técnicas ser um componentes mais estreitos que os regulares possibilitando um assentamento mais adequado ao rebordo mucogengival estreito da paciente.

A moldagem de transferência se executou usando transferentes de moldeira aberta, unidos entre si e ao guia multifuncional com resina acrílica auto-polimerizável de precisão (Pattern Resin LS, GC, America Inc).

Com os análogos posicionados nos transferentes posicionados na moldagem adquirida, obteve-se o modelo para a confecção da peça protética definitiva, conhecida como protocolo.
Com os protocolos instalados foi executado o ajuste oclusal e as recomendações com relação a higiene.

Durante o retorno de monitoramento que se fez em 40 dias a paciente relata que se sente muito confortável e extremamente feliz. ‘”A prótese e fácil de limpar e não me atrapalha em nada na minha fala “, completa.

 

2

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Albrektsson T, Zarb G, Worthington P, Eriksson AR. The long-term efficacy of currently used dental implants: a review and proposed criteria of success. Int J Oral Maxillofac Implants. 1986;1(1):11-2
Barros-Saint-Pasteur J. Plastic restoration of the alveolar crest of the mandible. Acta Odontol Venez. 1966;4(1):3-21
Brånemark P-I, et al. In: Osseointegração 40 anos – Uma história de sucesso: Um princípio que mudou o rumo da Implantodontia. ImplantNews 2005;2(4):315-9.
Chiapasco M, Casentini P, Zaniboni M. Bone augmentation procedures in implant dentistry. Int J Oral Maxillofac Implants. 2009;24(Suppl.):237–59
Esposito M, Grusovin MG, Felice P, Karatzopoulos G, Worthington HV, Coulthard P. Interventions for replacing missing teeth: horizontal and vertical bone augmentation techniques for dental implant treatment. Cochrane Database Syst Rev. 2009; 7(4):CD003607.
Felice P, Pistilli R, Lizio G, Pellegrino G, Nisii A, Marchetti C. Inlay versus onlay iliac bone grafting in atrophic posterior mandible: a prospective controlled clinical trial for the comparison of two techniques. Clin Implant Dent Relat Res. 2009;11 Suppl 1:e69-82. (b)
Hashemi HM, Javidi B. Comparison between interpositional bone grafting and osteogenic alveolar distraction in alveolar bone reconstruction. J Oral Maxillofac Surg. 2010;68(8):1853-8
HANGGI, M.P.; HANGGI, D.C.; SCHOOLFIELD, J.D.; MEYER, J.; COCHRAN, D.L.; HERMANN, J.S. Crestal bone changes around titanium implants. Part I: A retrospective radiographic evaluation in humans comparing two non- submerged implant designs with different machined collar lengths. J Periodontol, Chicago, v.76, n. 5, p. 791-802, may 2005.
HERMANN, J.S.; SCOOLFIELD, J.D.; SCHENCK, R.K.; BUSER, D.; COCHRAN, D.L. Influence of the size of the micro-gap on crestal bone changes around titanium implants. A histometric evaluation of unloaded non-submerged implant in the canine mandible. J Periodontol, Chicago, v.72, p. 1372-1383, 2001.
Sartori IAM. Implantes osseointegrados e carga imediata – abordagem protética.Implantnews 2005;2(5):464-5.
Sartori IAM. Tratamento interdisciplinar em reabilitação protética sobre implantes. ImplantNews 2007;4(1):10-21.

 

abertura

Cirurgia guiada por computador tem como diferenciais oferecer mais segurança e previsibilidade ao paciente

A paciente M.R.N., 52 anos, procurou atendimento odontológico para um tratamento reabilitador na maxila, onde a queixa maior se referia à questão funcional. “Não consigo mastigar direito, engulo pedaços de comida inteiro, o que está me trazendo outros problemas”, relatava a paciente.
Foi realizada a avaliação clínica e anamnese e a solicitação de um exame radiográfico do tipo tomografia, que constatou quantidade óssea suficiente para uma reabilitação com implantes, além dos exames pré-operatórios, que constataram condições sistêmicas com distúrbios e risco cirúrgico 3, segundo classificação da ASA (Americam Society of Anestesiology).

A proposta de tratamento e planejamento de cirurgia assistida por computador fez-se pela condição óssea relevante e, principalmente, pelo estado de saúde da paciente, que requer atenção diferenciada.

A cirurgia guiada (assistida por computador) possui a característica de ser um procedimento que oferece segurança e previsibilidade. Em razão da pouca invasividade e por não ser necessário retalho, a cirurgia guiada é uma técnica de menor tempo cirúrgico, o que justifica a indicação para este caso.

01

02

 

Quando concedido pela paciente a proposta deste procedimento, optou-se por marcações na própria prótese para proceder as tomografias para esse fim, considerando que as condições de adaptação da mesma atendem aos requisitos de um guia tomográfico. Foi solicitado duplo escaneamento da guia tomográfica: uma posicionada intra bucal com registro interoclusal para posicionamento ideal da guia (neste caso, a prótese da paciente) no momento da tomada radiográfica, e outra, tomada apenas da guia tomográfica.

O centro de imagiologia envia os arquivos ao centro de prototipagem (P3 Dental, localizada em Porto Alegre/RS), que converte os arquivos para o uso no software cedido pela empresa citada.
A empresa de prototipagem envia uma sugestão de planejamento. Neste caso, optou-se por alterações (executadas pelo profissional responsável pela reabilitação) e, logo após, reencaminhada ao centro de prototipagem, solicitando a confecção da guia cirúrgica.

O preparo pré-cirúrgico envolve a desinfecção da guia cirúrgica por imersão na clorexidina 0,12 por 24 horas, método indicado para material não termo resistente.
A cirurgia foi executada usando kit fitguide da DSP Biomedical, aplicando a técnica preconizada pelo departamento científico da empresa, seguindo o check list gerado pelo planejamento via software. Os implantes instalados foram produzidos pela DSP Biomedical, no modelo soulfit, com diâmetro de 3,5 mm e comprimentos variados.

Imediatamente após a instalação dos implantes, foram instalados cicatrizadores para exame radiográfico, a fim de avaliar a sua posição tridimensional.  A comparação entre resultado final da posição dos implantes e o planejado atendeu a expectativa.

Após a captura da própria prótese em boca, efetuando os registros de oclusais, foram instalados componentes Mini-pilares da DSP Biomedical para então proceder para a moldagem para o acabamento e finalização em laboratório.

03

662

A cirurgia guiada pelos benefícios de diminuição do tempo cirúrgico, mínima invasividade e uso de menor quantidade de anestésico possibilita o acesso às reabilitações complexas com implantes em pacientes com complicações sistêmicas.

 

 

abertura

Remoção de Implante com o Saca Implante

Informações do paciente

Paciente J.B., sexo feminino, 30 anos. Deu entrada ao consultório apresentando implante na região do dente 11 instalado a cerca de 10 anos. A mesma relatou que a coroa tinha sido removida para a realização de tratamento ortodôntico, e que agora em fase de finalização do mesmo ela gostaria de colocar o novo dente.

imagem01

Situação Clínica

Ao fazer o exame clínico e radiográfico constatou-se que o implante estava em posição desfavorável para a execução de uma prótese esteticamente adequada. Foi então indicada a sua remoção e instalação de novo implante em uma posição mais favorável.

O implante foi retirado com saca-implante da DSP Biomedical, e logo após instalado o implante CMI SoulFit de 3.5×11,5, obedecendo todos os pré-requisitos necessários de um implante em área estética. Devido ao fato de o implante estar muito vestibularizado, houve uma extensa perda óssea durante a remoção do implante anterior, que foi então compensado com o uso de bio-materiais.

imagem02

imagem03

Solução Restauradora

Por se tratar de um caso extremo, não foi indicado a prática de estética imediata. Sendo que, como a paciente apresentava aparelho dentário, foi optado então pela instalação do provisório no arco ortodôntico.

Após o prazo de osseointegração, a restauração será realizada por meio de prótese fixa cimentada ao implante, por meio de munhão personalizado.

imagem04

imagem05

Referências bibliográficas

Anitua E, Orive G. Atraumatic Implant Explantation, is it possible?

Description of a novel technique and a case series study. JIACD. 2010, 2 (7): 65-71

Watanabe F, Hata Y, Mataga I, Yoshie S. Retrieval and replacement of a malpositioned dental implant: a clinical report. J Prosthet Dent.2002; 88(3): 255-8.

Este caso é descrito e executado pelo Dr. Gustavo Grolli Klein, consultor da empresa DSP Biomedical que atua como Buco Maxilo Facial na cidade de São Miguel doeste-SC, e Prof do curso de especialização de implantodontia no CEOSP – Nanotec em Chapecó – SC.

 

abertura

Implante estreito 2.5mm, uma alternativa para resolução de agenesia de incisivo lateral

A paciente BMS 20 anos procurou atendimento odontológico em um Instituto odontológico particular com a queixa estética referindo a um diastema na região do 13. A historia clinica relatada e comprovada pela tomografia inicial e de agenesia do elemento 12. O tratamento ortodôntico previamente proposto e executado de reposicionamento do elemento 13 no sitio do elemento 12, e reposicionamento do 14 no sitio do 13 e mesialização de todos os elementos dentários do hemiarco direito não atendeu a expectativa da paciente, pela razão de ficar um espaço remanescente na região dos elementos 13 e 14. Apos entender a expectativa da paciente foi solicitado uma tomografia para estudo da possibilidade de resolução desta queixa através de implante. O exame radiografico solicitado por intermédio de cortes axiais evidencia uma distância entre raízes do local estudado para instalação de implantes de 2,66 mm alem de anatomicamente estarem convergentes no sentido apical.

imagem_01

imagem_02

Encaminhada a ortodontia para avaliação da possibilidade de alinhamento e posicionamento paralelo da raízes situada na predentida área a ser implantada, o prognostico se mostrou favorável por parte do ortodontista, com a ressalva de conseguir espaço entre as raízes de 2.8 mm a 3mm sendo que na região coronal existe a possibilidade de uma coroa nas proporções ideal do canino. Baseado no tratamento proposto pelo ortodontista executou o planejamento reabilitador cirúrgico prospectando a instalação do Implante flexCone Slim corpo único 2,5 mm de diâmetro e 4.0 mm a para plataforma protetica da empresa DSP Biomedical
(Campo Largo,Pr- Brasil).

Avaliando o processo restaurador a paciente relatou uma expectativa alta se referindo aos resultados estéticos e funcionais, a higiene apropriada junto a seu nível de cooperação são suficiente em se tratando de pré requisito para cicatrização sem intercorrências e a higidez a longo prazo dos tecidos periimplantares. O crescimento crânio facial e esquelético se apresentou completo evitando a infra oclusão relativa bem como a palato versão do implante a médio prazo.A facilidade de acesso apropriado para uma reabilitação Unitária do elemento anterior se contra poem a dificuldade encontrada com a exposição da área do tratamento durante o sorriso pois existe a exposição total da margem gengival.

imagem_03

O biotipo gengival espesso e de pouca curvatura aliado aos dentes vizinhos que apresentavam restaurações não caracterizam problemas de resolução pois o contorno e volume gengival apresentam de forma ideal assim como a relação maxilo mandibular que apresentam em classe II de angle sugerindo o protocolo de carga convencional sendo necessário um aprovisionamento provisório removível.
A prótese definitiva optou -se por retenção por meio de parafuso. Após analise de todas essas variáveis em termos restaurador este caso fica classificado como avançado na classificação SAC da Internacional teen for implantology .

A sequência da conduta clínica se vez em primeiro momento a ortodontia para realinhamento e nivelamento dentário e conquista do espaço entre os elementos 13 e 15. Assim o 13 assume a posição do elemento 12 e de acordo com o planejamento a instalação do implante se faz na região do 13. Apos essa correção estabelecida se solicitou uma nova tomografia para confirmação do espaço adquirido.

imagem_04

imagem_05

imagem_06

O segundo passo clinico se fez considerando o espaço adquirido, em razão das características anatômicas visualizadas a escolha do implante FlexCone Slim 2,5 mm com plataforma 4.0 da empresa DSP Biomedical ( Campo Largo,Pr-Brasil) foi eleito por entregar ao profissional ferramentas capazes de resolver o processo restaurador planejado.

O terceiro passo restaurador se optou por fazer uma prótese de material cerâmico retida por parafuso.
Ao termino no caso a paciente relata que o resultado alcançado atingiu sua expectativa relatando “Não sera mais preciso colocar a mão na boca para sorrir, e meus Selfs vão bombar”.

 

Ricardo Toscano, Mestre em Implantodontia, ILAPEO e Diretor Científico da DSP Biomedical.
Fabielle Cecchin, Ortodontista do Instituto Odontológico Toscano.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Silva FC, Thuler LCS. Cross-cultural adaptation and translation of two pain assessment tools in children and adolescents. J Pediatr 2008; 84:344-9.

SILVA, M. da. Compêndio de Odontologia Legal. 1ed. Rio de Janiro: Medsi, c.20, 1997, p.327-344: Documentação Odontológica.

Chiapasco M, Casentini P, Zaniboni M, Corsi E, Anello T. Titanium–zirconium alloy narrow diameter implants (Straumann Roxolid)® for the rehabilitation of horizontally deficient edentulous ridges: prospective study on 18 consecutive patients. Clin Oral Implants Res. 2012;23(10):1136–41.

Comfort MB, Chu FC, Chai J, Wat PY, Chow TW. A 5-year prospective study on small diameter screw-shaped oral implants. J Oral Rehabil. 2005;32(5):341–5.
Schierle HP, Werner HO, Nagel F. Reduced-diameter implants as a treatment alternative in risk patients to avoid augmentation procedures. Australasian Dent Pract. 2010;140-2.

Polizzi G, Fabbro S, Furri M, Hermann I, Squarzoni S. Clinical application of narrow Branemark System implants for single-tooth restorations. Int J Oral Maxillofac Implants. 1999;14(4):496-503.

30

Reabilitação Total Superior com Elementos Individualizados – Passo a Passo

A paciente procurou atendimento odontológico particular com objetivo de melhora de estabilidade de sua prótese superior.

A paciente relata que “quando fala a prótese esta caindo, quando esta a mesa alimentando-se com a família se sentia mal, pois tinha a sensação que estava incomodando”, ela também sentia algumas restrições no convívio social.

Devido a limitações anatômicas e limitações funcionais para confecção de uma prótese que atenda sua expectativa sugeriu-se o estudo para possível implantes. Após seu entendimento e consentimento foi realizado avaliação clinica e anamnese no momento da solicitação do exame radiográfico do tipo tomografia e exames pré-operatório tipo hemograma completo e risco cirúrgico.

Esses exames atestaram um estado de saúde estável e sem distúrbios sistêmicos. Os exames radiográficos apresentam uma maxila com disponibilidade óssea para execução de implantes, em cima deste diagnostico o planejamento proposto e posteriormente acordado pelo paciente foi de implantes individualizados, pois o sistema de dentes suportados por barra foi abolido pela paciente.

O preparo da guia cirúrgica baseou-se na imagem tomográfica adquirida e modelo físico implementado pelo planejamento reverso. Foi planificado instalação de doze implantes com o objetivo de maximizar a estabilidade mecânica da reabilitação e sua longevidade. Realizou-se a instalação dos implantes da marca DSP Biomedical de plataforma Cone Morse com montador (profissional optou a este modelo ao cone morse indexado). Após período de 4 meses de espera com a prótese provisória cimentada e manipulação de tecido mole executou-se a confecção das próteses definitivas, seguindo os passos de uma reabilitação protética sobre implantes.

01

Visão inicial

02

Arcada Superior

03

Arcada Inferior

04

Imagem radiográfica inicial

05

Guia Cirúrgico

06

Guia Cirúrgico

07

Leito ósseo

08

Guia cirúrgico posicionado, estabilizado por parafuso de enxerto

09

Fresagem

10

Leito ósseo fresado

11

Visão oclusal do leito ósseo fresado

12

Visão geral dos Implantes Cone Morse montados

13

Implantes com tapa implantes (carga tardia)

14

Sutura

15

Alívio da prótese para aprovisionamento provisório removível

16

Provisório instalado

17

Imagem radiográfica com implantes instalados

18

Reabertura com cicatrizadores

19

Instalação dos pilares 3.3

20

Visão oclusal pilares 3.3

21

Visão dos pilares 3.3 instalados – lado esquerdo

22

Visão dos pilares 3.3 instalados – lado direito

23

Preparo da prótese total para provisório fixo sobre pilares

24

Provisório fixo sobre implantes confeccionado

25

Provisório instalado sobre pilares

26

Visão oclusal dos pilares instalados durante manipulação tecidual

27

Visão vestibular dos pilares após manipulação tecidual

28

Prova dos coppings metálicos – visão oclusal

29

Prova dos coppings metálicos – visão vestibular

30

Coroas metalo cerâmica sobre análogos – visão vestibular

31

Coroas metalo cerâmica sobre análogos – visão oclusal

32

Coroas cimentadas – visão vestibular

33

Coroas cimentadas – visão oclusal

34

Coroas superiores cimentadas + pilares inferiores

35

Visão macro dos pilares inferiores

36

Visão oclusal dos pilares inferiores

37

Visão de perfil

38

Sorriso espontâneo

39

Visão de perfil

40

Perfil

41

Sorriso social

42

Sorriso social make

43

Imagem radiográfica final

 

Conclusão

O objetivo deste relato é salientar a necessidade de um planejamento prévio, minimizando a dissonância cognitiva sobre o tratamento, assim podemos equilibrar a expectativa do paciente com os custos dos implantes, componentes, próteses e honorário profissional para que uma reabilitação seja viável aos lados envolvidos.

guia tomografica 1

Cirurgia Guiada para Pacientes Edentados Total – Passo a Passo

Modelo de Estudo e Encerramento

Modelo de Estudo e Encerramento Inicialmente, são realizadas moldagens anatômicas com hidrocoloide irreversível (alginato) com moldeiras de estoque para pacientes dentados. Em seguida, são confeccionadas moldeiras individuais em resina acrílica envolvendo toda área chapeável, para moldagem funcional com poliéster. Fazer tomada de registro interoclusal com placas de resina com roletes de ceras e transferir para um articulador semiajustável (ASA) com ajuda do arco facial. Os modelos posicionados no articulador permitem uma correta montagem dos dentes artificiais. Os dentes montados em cera são duplicados com silicone de condensação em ambiente laboratorial para confecção de um guia tomográfico com dentes em sulfato de bário, através da isomodelagem.

Guia Tomográfico

A confecção do guia tomográfico em resina acrílica de aproximadamente 3 mm de espessura, que reproduza com exatidão o posicionamento dos dentes a serem reabilitados e esteja bem adaptado ao rebordo alveolar do paciente, é de fundamental importância para o sucesso do tratamento. Acrescentar 4 a 6 pontos de guta percha no flange e base do guia. Em seguida, realiza-se um registro interoclusal em silicone pesado, para o paciente utilize o conjunto no momento da tomada tomográfica. A forma e fidelidade do guia topográfico são fundamentais para a obtenção de um guia cirúrgico adequado e preciso.

guia tomografica 1

Duplicação dos dentes montados em cera ou duplicação da prótese da paciente nesta imagem as marcações com Guta percha executada. Visão anterio

 

guia tomografica 2

Duplicação dos dentes montados em cera ou duplicação da prótese da paciente nesta imagem as marcações com Guta percha executada. Visão lateral

 

guia tomografica 3

Marcações dos pontos de referência para preenchimento com guta percha Especificamente neste caso usando a prótese da paciente

 

guia tomografica 4

Preenchimento das marcações com guta percha

 

guia tomografica 5

Marcações preenchidas com guta percha

Tomografia Computadorizada

O protocolo das tomográfias consiste numa técnica de escaneamento duplo. Num primeiro momento, é realizada a TC do paciente, utilizando o guia tomográfico e o registro interoclusal em silicone, irá garantir o correto posicionamento do guia durante o exame. Após essa etapa, é realizada uma TC do guia isoladamente, sem o registro em silicone. Os resultados desses exames (arquivos com extensão DICOM- Digital imagina and Communications in Medicine) são exportados para o software de conversão ( sugestão: P3 dental, Compass3d) e as marcas de referência, em guta-percha, posicionadas a fusão das imagens obtidas nas duas tomografias. Esse duplo escaneamento permite uma sobre posição da TC do paciente com a TC do paciente com a TC do guia com alta precisão. O Planejamento do tratamento pode agora ser realizado no computador em uma ambiente interativo e tridimensional.

guia tomografica 6

Guia posicionado em boca

 

guia tomografica 7

Registro inter oclusal – Visão Superior

 

guia tomografica 8

Registro inter oclusal ( sem prótese parcial removível com grampo inferior ) Visão inferior

 

guia tomografica 9

Prótese/ Guia sobre registro inter oclusal

 

guia tomografica 10

Prótese/ Guia em boca com registro inter oclusal em posição para tomada radiográfica

Planejamento Virtual

O programa de computação gráfica permite a visualização concomitante dos três planos espaciais ( sagital, axial, coronal) das estruturas ósseas e dentes a serem reabilitados na mesma imagem. Este recurso permite o planejamento da instalação dos implantes em regiões com quantidade óssea adequada, inclinações favoráveis e posicionamento ideal em relação ã prótese. O ambiente tridimensional é altamente interativo e permite ao profissional visualizar os cortes parassagitais ao longo do rebordo alveolar, e ter uma visão gera de toda a maxila ou mandíbula. Com as ferramentas do programa ( rotação, translação e aproximação), todos os detalhes podem ser inspecionados. Nesta fase, os implantes são selecionados e posicionados virtualmente nos locais desejados, em que o profissional pode escolher o comprimento, diâmetro, posição e inclinação dos implantes, além da altura dos pilares intermediários da futura prótese. Os pinos de fixação da guia, que manterão o guia imóvel durante o procedimento cirúrgico, são posicionados virtualmente e o planejamento finalizado . As informações obtidas são enviadas via internet para a confecção do guia prototipado pela empresa selecionada ( P3 Dental, Compass3D).

Captura de Tela 2015-06-03 às 22.42.38

Captura de Tela 2015-06-03 às 22.43.01

Captura de Tela 2015-06-03 às 22.43.29

 

Guia Cirúrgico Prototipado

O diâmetro dos orifícios  nas guias corresponde exatamente aos diâmetros das chaves que tem por objetivo orientar o posicionamento  para utilização das brocas e também utilização das chaves para instalação dos implantes, garantindo assim a precisão do sistema. Uma das características de inovação embutida no Kit de cirurgia guiada da DSP Biomedical e remover a necessidade de anilhas na guia para fresagem e remoção da necessidade de anilha na guia para instalação dos implantes.

guia

01

Soluções protéticas sobre implantes Cone Morse

02

Os implantes do sistema Cone Morse oferecem inúmeras soluções protéticas, porém quando se pretende fazer próteses parafusadas ou cimentadas, tanto em casos unitários como múltiplos, algumas empresas, dentro de seus sistemas, não apresentam soluções protéticas práticas, estéticas e funcionais.
Quando procuramos essas soluções, do ponto de vista laboratorial, felizmente hoje, com poucas exceções de incompatibilidade, as empresas nos oferecem soluções para inúmeros casos. No caso apresentado, a Empresa DSP Implants, ofereceu uma solução simples, estética e funcional.
A paciente, M.A.B.C, sexo feminino, 61 anos de idade, apresentou-se na situação atual clinica com mordida incorreta, dimensão vertical alterada e desvio mandibular (Fig 1). Inicialmente, após o exame da radiografia panorâmica (Fig 2), procuramos embasar estas peças protéticas com condicionador de tecido, reposicionando a mandíbula. Na história clínica, a paciente relata dois infartos do miocárdio, cardíaca, diabética e pressão arterial alterada para mais (controlada por medicamento).

No passado, foram instalados quatorze implantes, sendo que hoje permanecem apenas cinco destes implantes no arco inferior e um implante no arco superior. Em função da fragilidade da saúde da paciente, foi adotado um planejamento o menos invasivo possível e o mais conservador, optando-se por soluções protéticas ativadas nos implantes remanescentes.
A opção no arco superior foi a colocação de uma coroa telescópica no 27 (Fig 3) e a instalação no 21 de solução protética Flex Cone, da DSP Implants, com ativação de micro o’ring (Fig 4 e 5), ativando assim uma prótese overdenture, que, por se tratar de um único implante, exercerá menos força sobre o implante.
No arco inferior foram aproveitados os cinco implantes (em função da história clínica da paciente), utilizando-se a solução protética Munhão Parafusado para Cone Morse com base cobalto/cromo da DSP Implants, sobre a plataforma protética dos cinco implantes.

Estes Munhões, que possuem a base em cobalto/cromo e corpo calcinável, permitiram ao laboratório protético fundir pilares nas proporções necessárias para cada implante, de acordo com suas posições e alturas (Figs 6, 7).

Estas soluções instaladas sobre os implantes (Ankylos) foram adotadas em função das alturas e posições protéticas necessárias, além das limitações de saúde da paciente.
Como resultado final, observam-se as condições de eficiência do componente utilizado para que estas próteses pudessem ser parafusadas, dificilmente encontrada em outros sistemas, principalmente em se tratando de sistema Cone Morse. Na figura 8, podemos observar a função e a estética estabelecidas ao final do caso.

03 04 05

06

Utilização de Saca Implantes

Paciente procurou atendimento odontológico devido a queixa de sangramento da gengiva, na região do elemento 23 reabilitado com implante e prótese sobre implante. Foi realizada uma avaliação clínica e radiográfica. Detectou-se o posicionamento desfavorável (ápico-cervical) do implante para confecção de uma prótese respeitando os tecidos periimplantares.

Os exames pré-operatórios foram solicitados comprovando um estado de saúde estável e sem distúrbios sistêmico. O tratamento proposto e realizado consistiu na remoção do implante osseointegrado usando saca implante da empresa DSP Biomedical e reinstalação imediata do implante Cone Morse modelo WayFit DSP Biomedical, priorizando o travamento primário e uso do componente munhão universal para confecção do provisório.

 

Este caso é descrito e executado pelo Dr. Gustavo Grolli Klein, consultor da empresa DSP Biomedical que atua como Buco Maxilo Facial na cidade de São Miguel doeste-SC, e Prof do curso de especialização de implantodontia no CEOSP – Nanotec em Chapecó – SC.

 

carga tardia

Cirurgia de Carga Tardia Sobre Implante Unitário

 paciente era usuária de próteses parciais removíveis superior e inferior há 14 anos, ausência dos seguintes elementos dentários : 16, 14, 12, 11, 21, 22, 26, 35, 36, 37, 46.

Paciente : R.M.F.S., sexo feminino, 39 anos

  • Plano de Tratamento: propusemos a instalação de implantes hexágono externo DSP Biomedical na região dos dentes 16, 14, 26, 35, 37, 46 e instalação de 2 implantes flex cone 2.5 X 11.5 Osteofit, na região dos dentes 12 e 22 (pois a paciente apresentava espessura óssea delgada e não queria passar por cirurgia de enxertia óssea) e confecção de prótese fixa metalocerâmica de 4 elementos, mais a confecção de próteses definitivas metalocerâmica sobre UCLA calcinável com base de cromo/cobalto, nos elementos dentários citados acima.
  • Breve Histórico: este tratamento foi realizado em duas etapas básicas, compreendendo oito visitas do paciente até nosso consultório. Foi feita a cirurgia para instalação de 8 implantes DSP, sendo que preparamos o leito receptor com as fresas do kit cirúrgico, na sequência recomendada pelo fabricante, de acordo com os respectivos implantes instalados. A paciente retornou depois de um ano para efetuar a fase protética do tratamento implantodôntico (pois a mesma reside em Londres – Inglaterra), foram reabertos os implantes para instalação dos cicatrizadores gengivais. Depois de 10 dias foi realizada a moldagem com silicona (impregum), através da instalação de transfers para moldeira aberta e adaptação dos análogos no material de moldagem. Enviamos todo o material para o laboratório de prótese, juntamente com as UCLAs calcináveis com base de cromo/cobalto para que a fundição fosse realizada. A fundição foi provada na boca da paciente e constatou-se uma ótima adaptação do metal, foi feita a tomada de cor da porcelana e tudo foi novamente enviado para o laboratório de prótese. Na consulta seguinte no consultório, as próteses metalocerâmicas foram provadas na boca da paciente e reenviadas para o laboratório de prótese para que o glaze final fosse executado. Em uma nova consulta, as próteses definitivas parafusadas foram instaladas na boca da paciente e as perfurações das coroas por onde passa o parafuso hexagonal foi fechada com resina acrílica fotopolimerizada.

 

Conclusão: A paciente ficou muito satisfeita com o resultado final das próteses metalocerâmicas que foram instaladas em sua boca, após 8 consultas clínicas realizadas desde a consulta inicial para diagnóstico de plano de tratamento. As próteses encontram-se totalmente estáveis e funcionais sobre os implantes. A reabilitação oral superior e inferior foram restabelecidas, ofertando uma melhor oclusão e mastigação para a paciente, além de excelente estética.

 

Caso Clínico produzido pelo Dr. Jairo Wilson Abreu da Cunha.

• CROGO 3368• Graduado pela AEE-Anápolis-GO (1989)• Especialista em Implantodontia pela UNICASTELO-SP (1999)• Mestrado em Laser pela UNIVAP-SP (2001)• Consultor Clínico do Sistema de Implantes Osteofit da DSP Biomedical Ltda.• Consultor Científico da DEFLEX• Membro da Sociedade Brasileira de Laser• Membro da Academia Brasileira de Osseointegração• Coordenador do Curso de Aperfeiçoamento em Implantodontia da ABCD (Goiânia-GO)

Rua 1-A | 291 | Setor AeroportoGoiânia | GO | CEP: 74075-070(62) 3213-4008(62) 9976-9894 drjairoabreu@hotmail.com

guiada

Cirurgia Guiada Estática – Procedures for static guided surgery

O departamento cientifico da DSP Biomedical apresenta de forma sucinta um procedimento de cirurgia guiada estática. Processo cirúrgico executado pelo Prof. Msc Ricardo Toscano Diretor científico DSP Biomedical.

The scientific department of Biomedical DSP briefly presents a still guided surgery procedure. Surgical procedure performed by Prof. MSc Ricardo Toscano Scientific Director Biomedical DSP .

 

01

Kit FitGuide da DSP Biomedical permite fazer a fresagem e instalação dos implantes guiados.

02

03

Guia Cirúrgica confeccionada pela P3 dental. Observe detalhe exclusivo das guias para o sistema DSP Biomedical FitGuide sem necessidade de anilhas.

04

Rebordo a ser operado

05

Estabilização da Guia

06

Guia estabilizada

07

Chave posicionada para inicio da fresagem

08

Início Fresagem para rompimento de cortical

 

09

Fresa 2.0 mm

10

Fresa 2.7 mm ( Quando necessário).

11

Chave de Instalação do Implante DSP Biomedical modelo CMI Soulfit 3,5 mm

12

Instalação do Implante DSP Biomedical modelo CMI Soulfit 3.5mm com chave de contra angulo,

13

Visão do implante no final da instalação ( observe precisão com a chave), nesta mesma foto observe a guia estabilizada pelos pinos estabilizadores no próprio implante.

14

Visão imediata ao ato cirúrgico do rebordo operado com cicatrizadores.

15

Imagem radiográfica final

neo-ossea

Neoformação óssea – 28 Dias / Bone formation – 28 Days .

OBJETIVOS:

Comparar os aspectos histomorfológicos do tecido ósseo após osteotomias realizadas em tíbias de suínos com sistema piezoelétrico e instrumentos rotatórios em diferentes tempos pós-operatórios.

GOALS: Compare histomorphological aspects of bone tissue after osteotomies performed in tibia of pigs piezoelectric system and rotary instruments at different postoperative times.

MÉTODOS:

Procedimentos cirúrgicos foram realizados em tíbias de quatro suínos, sendo que cada animal recebeu cinco perfurações na tíbia esquerda utilizando sistema piezoelétrico com pontas em forma de estrela (Piezosonic Driller(r)) e cinco perfurações na tíbia direita utilizando fresas rotatórias com revestimento de carbono(DSP Biomedical(r)). Os animais foram sacrificados nos tempos pós-operatórios de 2, 7, 14 e 28 dias. As tíbias foram removidas e o material foi processado para exame histológico em microscopia de luz.

METHODS :

Surgical procedures were performed on the tibia of four animals , and each animal received five perforations in the left tibia using piezoelectric system with star-shaped ends ( Piezosonic Driller (r ) ) and five perforations in the right tibia using rotary cutter with carbon coating ( Biomedical DSP (r ) ) . The animals were sacrificed on postoperative days 2 , 7, 14 and 28 days . The tibias were removed and the material was processed for histological examination under light microscopy .

RESULTADOS:

Ao exame histológico, observou-se após 2 dias, achados semelhantes para os 2 grupos, revelando a presença de tecido compatível com um coágulo junto a um infiltrado inflamatório no leito osteotomizado. Aos sete dias, os preparos realizados com fresas se mostraram mais regulares e houve sinais de maior neoformação óssea próxima ao tecido ósseo remanescente quando comparados ao sistema piezoelétrico. No grupo de 14 dias ficou evidente maior neoformação óssea ao longo de todo leito cirúrgico no grupo de fresas, enquanto o sistema piezoelétrico apresentou neoformação óssea dispersa, porém ao final de 28 dias, a análise morfológica tecidual foi semelhante em ambos os grupos, com a presença de trabeculado ósseo reorganizado.

RESULTS :

Histologically , it was observed after two days , similar findings for the two groups , revealing the presence of tissue compatible with a blood clot near an inflammatory infiltrate in osteotomized bed . After seven days, the milling is carried out with preparations showed more regular and there were signs of increased bone formation next to the remaining bone tissue when compared to piezoelectric system. In the 14 day group was clearly greater bone formation throughout the surgical bed cutters group , while the piezoelectric dispersed system showed new bone formation , but at the end of 28 days, tissue morphological analysis was similar in both groups , with presence of trabecular bone reorganized.

CONCLUSÃO:

Pode-se concluir que os achados da análise morfológica revelaram que tanto o sistema piezoelétrico como as fresas na preparação de nichos para implantes promoveram neoformação óssea semelhante, evidenciando a presença de trabeculado ósseo reorganizado aos 28 dias.

CONCLUSION :

It can be concluded that the findings of the morphological analysis revealed that both the piezoelectric system and the cutters in the preparation of niches for similar implants promoted bone formation , indicating the presence of rearranged trabecular bone at 28 days .

01 02 03 04

chave removedora

Chave Removedora de Implantes Osseointegrados com Torque Reverso

O removedor de Implante foi especialmente desenvolvido para a remoção de implantes osseointegrados que não apresentem resolução protética e ou saúde periImplantar ou que ainda esteja fraturado. Utiliza o princípio mecânico do contra torque para promover a ruptura da osseointegração e desinserção do implante pelo próprio alvéolo.

Orientações de Uso

• Remover todos os componentes protéticos, tapas, cicatrizadores do implante e promover uma limpeza da cavidade interna.

• Montar o removedor de Implante em chave tipo catraca, com ou sem o adaptador (extensor), conforme o espaço disponível.

• Posicionar o removedor de Implante na entrada do conduto interno do implante a ser removido e executar, sob pressão, movimentos curtos e lentos no sentido anti-horário (remoção). As roscas anti-horárias do removedor de Implante serão fortemente travadas à parede do conduto interno do implante.

• Obtido este travamento, o passo seguinte será exceder a cada movimento, o torque necessário para que a face de osseointegração seja rompida. Importante: O mecanismo de ação da chave baseia-se no princípio do amassamento das roscas da mesma contra a parede do conduto interno de alojamento dos componentes do implante. Portanto, a sua reutilização e contra indicada. Evita o superaquecimento do osso quando do uso das trefinas. Possibilidade de reimplantação imediata.

O caso clinico apresenta a utilização do removedor de implante. A paciente apresentou ao consultório como queixa principal a estética da prótese sobre o implante. Após uma análise radiográfica e análise clínica do posicionamento tridimensional do implante, foi sugerido a paciente procedimentos para minimizar o prejuízo estético. Porém, pelas limitações oferecidas pelo posicionamento do implante, em consenso profissional e paciente, optou-se pela remoção e instalação imediata de outro implante com planejamento tridimensional prévio.

_______________________________________________________________________________________________________________

Remover key Osseointegrated Implants Torque Reverse

The Implant remover has been specially developed for the removal of dental implants that do not present prosthetic resolution and peri-implant or health or is still fractured . It uses the mechanical principle of the counter torque to promote the breakdown of osseointegration and detachment of the implant ‘s own socket.

Use Guidelines
• Remove all prosthetic components, tapas, healing abutments of the implant and promote cleaning of the internal cavity.

• Mount the Implant remover on ratchet key, with or without the adapter (extender), as space permits.

• Place the Implant remover at the entrance of the internal conduit of the implant to be removed and perform under pressure, short and slow movements in a counterclockwise direction (removal). The counterclockwise threads Implant remover will be strongly fought the wall of the implant internal conduit.

• Obtained this crash, the next step is to exceed every movement, the torque necessary for the osseointegration face is broken. Important: The key action mechanism is based on the principle of kneading the threads of the same against the inner wall of the conduit housing of implant components. Therefore, reuse and contraindicated. Prevents overheating bone when using the trephines. Possibility of immediate redeployment.

 This case presents the use of the implant remover. The patient presented to the office as chief complaint aesthetics of the prosthesis on the implant . After radiographic analysis and clinical analysis of three-dimensional positioning of the implant , the patient was suggested procedures to minimize disfigurement . However, the limitations offered by the positioning of the implant , professional consensus and patient, we opted for the immediate removal and installation of another implant with prior three-dimensional planning.

01 02 (2) 03 04 05 6 07 08 09 10

11

 

 

capa

Protocolo arcada inferior com implante Flex Cone de corpo único

Caso clínico de reabilitação inferior tipo protocolo utilizando  barra CAD/CAM  com implantes corpo único da DSP Biomedical Sistema de Implantes Dentários.

Si el protocolo clínico de rehabilitación de tipo barra inferior usando CAD / CAM implante cuerpo único DSP Biomédica sistema de implante dental.
If clinical rehabilitation protocol type bottom bar using CAD / CAM implant body’s unique DSP Biomedical dental implant system.

01

Tomografia inicial

02

Implantes Flex Cone DSP Biomedical Instalados

03

Barra usinada (CAD/CAM) visão radiografica

04

Barra usinada prova em boca

05

Contorno ideal da peça protética

06

Barra revestida de resina instalada

 

 

flex

 

 

 

 

capa

Captura de Clips

 Dra. Estela Maris Mehret, especialista em implantodontia e Prótese, que atua na cidade de Ponta Grossa – PR,  colabora com o projeto – Assim eu faço- da DSP Biomedical, enviando a dica de proteger a barra de suporte de clips com cera com o objetivo  da captura dos clips ser mais eficiente e sem complicações de retenções indesejáveis. Confira a foto enviada pela autora por Whatsapp.
01_ 02_ 03_
04

Se você é usuário do sistema de Implantes DSP e tem um caso clínico ou pesquisa em Odontologia, envie para o e-mail cientifico@dspbiomedical.com.br, ele pode ser publicado em nosso site ou na revista.

guiasrt

Guias Cirúrgicas RT em Implantodontia

As guias cirúrgicas fazem parte de uma implantodontia de alta performance. Pensando em maximizar os resultados cirúrgicos, o Msc Ricardo Toscano, Diretor cientifico da DSP Biomedical, lhe expõem as guias que preconiza em seus casos clínicos, com variação de remover a vestibular, o qual denominou guias cirúrgicas RT, e também as guias removendo a palatina ou lingual convencionalmente para uma visão 3D do posicionamento do implante.

____________________________________________________________________________________________________________________________________

The surgical guides are part of a high-performance implant . Thinking about maximizing the surgical outcomes , the MSc Ricardo Toscano, scientific director of DSP Biomedical, expose the tabs that advocates on their clinical cases , ranging from removing the exam, which called surgical guides RT , and also the tabs by removing the palatal or lingual conventionally to a 3D view of the positioning of the implant .

01_

Guia total inferior com remoção da vestibular – Guia RTVisão posterior para anterior | Full guide below with vestibular removal

02_

Guia total inferior com remoção da vestibular -Full guide below with vestibular removal

03_

Guia total inferior com remoção da vestibular – Full guide below with vestibular removal

04_

Aplicação da Guia RT no momento cirúrgico – RT Guide application in surgical time

05_

Marcação com lápis cirúrgico – Marking with surgical pencil

06_

Aplicação da Guia no momento após marcação com lápis cirúrgico | RT Guide application in surgical time after labeling with surgical pencil

07_

Guia cirúrgica convencional visão oclusal antero posterior | Conventional surgical guide subsequent anterior occlusal view

08_

Guia cirúrgica convencional visão inferior | Conventional surgical guide view less

09_

Guia convencional no momento cirúrgico | Conventional guide the surgical time

10_

Guia cirúrgica convencional e Guia cirúrgica RT – Conventional surgical guide and surgical guide RT

barra_distal

Barra Extensora (Distal) Dsp Biomedical – The Dsp Biomedical Extender Bar (Distal)

O hiato de espera entre a finalização da face cirúrgica até a instalação do protocolo provisório bem como fraturas dos mesmos sem reforço é uma realidade clínica na implantodontia a ser transposta. Este relato adaptando pilares de titânio DSP Biomedical e barras extensoras (distal) de titânio DSP Biomedical na prótese do paciente imediatamente após finalizar a fase cirúrgica, tem por objetivo estreitar o tempo de espera entre o término da cirurgia e instalação da prótese de característica provisória, instalando-a na mesma secção, e o uso da barra extensora (distal) de titânio, possibilitando uma maximização na estabilidade no item fratura, com beneficio bastante relevante comparado ao custo.

_____________________________________________________________________________________________________________________________________

The expected gap between the end of the surgical face up to the installation of the interim protocol as well as fractures of the same unreinforced is a clinical reality in implantology to be transposed . This report adapting titanium posts DSP Biomedical and extension rods (distal ) titanium Biomedical DSP in the patient’s prosthesis immediately after finishing the surgical phase , aims to strengthen the waiting time between surgery completion and installation of the temporary feature of the prosthesis, installing it in the same section, and the use of the extension bar ( distal) of titanium, enabling a maximized stability at the fracture item , with quite significant benefit compared to the cost .

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24