A cirurgia navegada da DSP Biomedical atua de forma transdisciplinar com sua nova tecnologia que funde o mundo fisico, digital e biológico trazendo possibilidades terapêuticas de aplicação de implantes com uma abordagem inovadora.

Caso Clínico produzido por Dr. Gustavo Klein

Apoio: Dr. Jairo Abreu e Dr. Rosenvaldo Moreira

Texto de Introdução por Dr. Ricardo Toscano

Apoio Técnico de Dibson Rodrigues

navegada

Estamos enfrentando o futuro e não esperando por ele. As reabilitações implanto suportadas contemporânea trazem o contexto da expectativa do paciente de processos restauradores cirúrgicos e protéticos para atingir resultados em ritmo exponencial e cada vez mais qualificados.

A Cirurgia Navegada da DSP Biomedical (DSP Imaging System) atua de forma transdisciplinar com sua nova tecnologia, que funde o mundo físico, digital e biológico, trazendo possibilidades terapêuticas de aplicação de implantes com uma abordagem inovadora.

Este sistema de navegação possibilita ao implantodontista a visualização em tempo real da posição da broca durante a perfuração, instalação do implante, qualidade óssea e localização de estruturas anatómicas nobres com auxilio de imagem obtidas pela tomografia computadorizada 3D (TC).

O DSP Imaging System utiliza rastreamento óptico IRIS-100 (Implant Real- Time System) da empresa EPED inc. O arquivo DICOM (Digital Imaging and Communications in Medicine) obtidos pelo exame de imaginologia TC e convertido automaticamente para o software IRIS-100, possibilitando planejar a posição, ângulo e profundidade da instalação dos implantes.
Para o processo cirúrgico de navegação acontecer é necessário que a unidade de rastreamento (navegador), contra-ângulo com acessório específico reflexivo e guia oclusal (ponto fiducial) fixo na arcada do paciente estejam sincronizados, ou seja, as imagens virtuais calibradas com o real e o movimento do contra ângulo com instrumentais cirúrgicos para que seja visualizado em um monitor.

A concepção interativa do sistema IRIS -100 permite a utilização de implantes DSP Biomedical de múltiplas dimensões, bem como a alteração do planejamento prévio sem disruptura do processo cirúrgico em andamento.

O sistema permite a movimentação da cabeça do paciente de modo que a precisão não é afetada, o impacto positivo desta característica e o aumento da eficiência e segurança na utilização destes recursos tecnológicos criam um cenário de trabalho emergente com ascensão profissional.

navegada02

O DSP Imaging System possui a utilização de sistemas de rastreamento óptico para visualizar instantaneamente a peça de mão do implante e perfurar junto com uma imagem CBCT 3D. Com a ajuda deste sistema de imagem em tempo real, os usuários podem ver a posição da broca e também dados como a qualidade do osso, localização do nervo e do sinus e mais. Estes dados críticos podem auxiliar os implantólogos na navegação e dar orientação em tempo real durante a cirurgia do implante. Semelhante a um sistema de navegação de carro, o sistema é configurado para visualizar o destino e ajuda a orientar a colocação pré-planejada de implantes, evitando áreas perigosas, aumentando a probabilidade de uma cirurgia de implante bem sucedida.

navegada02-01

navegada03

Caso Clínico – Cirurgia Virtual Dinâmica

Paciente apresentou-se a DSP Oral Clinic apresentando mobilidade no dente 21. Ao examinar clinicamente constatou-se a presença uma prótese fixa frouxa e fratura radicular. Foi então instituído como tratamento a remoção da raiz e instalação de implante imediato.

navegada04

1 – Para realização do implante através da tecnologia da Cirurgia Navegada , o primeiro passo foi encaminhar o paciente para a radiologia e fazer uma tomografia com um splint de localização específico em boca. Após, solicitou-se que as imagens fossem enviadas no formato DICOM para o carregamento das mesmas no software, possibilitando assim o planejamento.

navegada05

2 –  Após o planejamento o segundo passo é a instalação do splint novamente na boca do paciente, com auxílio de siliconas ou placas de acetato. Este splint contem 4 esferas metálicas, que foram “marcadas” na tomografia e que agora servirão como referência para a localização da boca do paciente em relação a tomografia.

navegada06

3 – O terceiro passo é feito a instalação do sensor de localização do paciente. Desta forma a câmera faz a leitura e o cruzamento dos dados entre este sensor e o que está na peça de mão, gerando uma replicação virtual do que acontece na realidade.

navegada07

4 – Na sequencia do atendimento é feita a calibração dos sensores. Os 4 pontos com esferas esféricas metálicas são localizados com contra ângulo através de uma ponteira chamada de probet. Imagem abaixo mostrara o contra ângulo na boca do paciente e ao mesmo momento aparecendo no software, onde mostraremos onde está a localização 1 , 2 , 3 e 4 .

navegada08

Localização 01

navegada10

Localização 02

navegada11

Localização 03

navegada12

Localização 04

5 – Efetuando a localização dos 4 pontos o sistema irá mostrar uma imagem em  “ S ”  na cor verde onde nesse caso é afirmando que o sistema identificou o mundo real do virtual.

navegada13

6 – Partir dessa confirmação é retirado a peça de boca o splint e mantido o sensor. Desta forma, com todos os pontos identificados, podemos seguir para a perfuração.

navegada14

7 – Notem na imagem abaixo que o sensor está do lado direto, e horas ao lado esquerdo. Ele sempre está na mesma posição, na verdade isso tudo é uma questão de imagem feita em ângulos diferente, mas ambos são na mesma posição.  Nas imagens abaixo está sendo feita a remoção da raíz do dente 21 de uma maneira atraumática, com uso de periotômos.

navegada15

8 – Após a remoção da raiz, dá-se inicio a perfuração onde previamente foi planejado a posição do implante. Desta forma é possível ver onde o implante irá ficar antes de efetuar a perfuração. Também é possível visualizar o trajeto da broca em tempo real, além de indicadores auxiliares de direção e profundidade, que encontram-se a direita da imagem.

navegada16

9 – Abaixo imagem do inicio da perfuração com a broca 2.0

navegada17

10 –  Já na sequencia foi feito com um prolongador de broca e notem que no software também já aparece o prolongador conforme imagem abaixo.

navegada18

11 – Ao chegar próximo ao fim da perfuração, notem no centro da imagem abaixo que o software nos dá uma mensagem de aviso que estamos nos aproximando uma estrutura anatômica importante, que neste caso identificamos como sendo a fossa nasal.

navegada19

12 – podem ver na imagem abaixo o posicionamento da broca 3.8

navegada20

13 – Fazendo a aferição de profundidade em relação ao zenith gengival para termos certeza do nosso planejamento, o que confirmou-se para a instalação de um implante de 3.8 x 11.5 Implante Wayfit Cônico.

navegada21

14 – Aqui está a instalação do implante , que também foi feito e guiada pelo software .

navegada22

15 –  após foi efetuado o travamento adequado nos possibilitando uma estética imediata torque entre 50 e 60 newtons.navegada23

16 – E abaixo a finalização da instalação do implante, que depois foi trabalhado com biomateriais nessa região vestibular preenchimento do GAP, confeccionado um provisório com uma estética imediata para manter todo esse contorno gengival.

navegada24