Cirurgia Navegada. Economia de tempo com a calibração pré-cirúrgica odontológica.

A DSP Biomedical, distribuidora parceira da EPED Inc., no Brasil continua inovando e surpreendendo seus clientes, pacientes e parceiros.

Durante nossa última visita a Campo Largo, Curitiba, a DSP conseguiu surpreender nossos representantes ao apresentar uma grande dica revolucionária aplicável em todos os tipos de cirurgia de implante dentário: calibração pré-cirúrgica.

Sempre se esforçando para aproveitar sua tecnologia e disponibilidade de tempo, e de forma a caber mais consultas no mesmo dia, a equipe DSP começou a criar modelos dentais dos pacientes antes de suas cirurgias, para que eles não apenas criassem melhores vias cirúrgicas, mas também para executar a calibração da peça de mão e do software IRIS fora da boca do paciente.

Dr. Rubem Lima Santos, um dos implantologistas que trabalha na clínica DSP no Brasil, mencionou que a calibração pré-cirúrgica mudou para sempre a interação com seus pacientes, já que estes últimos não precisam esperar a calibração do sistema uma vez que estão sentados na cadeira odontológica.

“Um dos principais problemas durante a cirurgia é tentar fazer todo o procedimento antes que a pressão arterial do paciente suba para um número razoável”, disse o Dr. Rubem.

“Percebemos que quando fazemos a calibração do sistema diretamente nos dentes do paciente, todo o processo gera um pouco de ansiedade no paciente, tornando um pouco delicado para nós iniciarmos suas cirurgias com leituras mais altas de pressão arterial”. Agora, em vez disso, acrescentou, “criamos modelos dentais a partir de seus arquivos DICOM ou diretamente de suas próteses com materiais especiais que criam moldes para recriarmos seus dentes”.

O resultado, acrescentou, encurtou consideravelmente o tempo de cirurgia, já que a cirurgia começa praticamente depois que o paciente já está sentado na cadeira odontológica.

“Momentos antes da cirurgia, executamos a calibração normal no molde dentário do paciente e, uma vez que o paciente está sentado na cadeira odontológica, colocamos o marcador certificando-se de que não se moveu. Fazemos um teste de precisão simples e depois iniciamos a cirurgia ”.

Se o marcador do paciente se mover afetando a calibração, o marcador será colocado mais uma vez no molde dos dentes do paciente para executar a calibração novamente, agora fora da boca do paciente.

“Às vezes o marcador se move devido à sua posição, mas nós apenas o tiramos da boca do paciente e fazemos a calibração de forma independente. A calibração sempre causou um pouco de desconforto devido aos diferentes pontos de recursos que precisamos tocar, mas agora resolvemos esse problema ”, acrescentou o Dr. Rubem.