DSP Biomedical na Imaxi Joinville abordando tema

Higidez Tecidual

A característica do complexo periimplantar saudável ao longo do tempo em uma reabilitação implanto suportada tem a denominação de higidez tecidual.
Fatores como avaliação do tecido ósseo e também uma analise cuidadosa do fenótipo gengival do paciente a ser reabilitado deve ser realizada na etapa de planejamento no intuito de atingir o aspecto salutar desejado.

Exemplificamos com pacientes que apresentam dentes com formatos triangulares pois exibem uma mucosa mais delgada e com um contorno mais acentuado ou festonado em função dos contatos proximais se situarem mais para a incisal. Esses pacientes representam o maior desafio, uma vez que qualquer perda óssea interproximal promove o aparacimento de espaços negros, em regiões incisais de maior visibilidade.

O sucesso a longo prazo do tratamento com implantes depende da aderência dos tecidos conjuntivo epitelial a base do restauro protetico , promovendo um selamento de tecido mucoso que irá isolar o osso do meio contaminante e da agressão bacteriana. Dentro deste contexto o biotipo mais espesso é menos vulnerável à inflamação e por consequência menos provável de sofrer recessão. Pelos motivos acima descritos e importante que na ausência de mucosa queratinizada ou nos casos em que a largura é extremamente delgada, uma fase de tecido queratinizado deve ser cirurgicamente conseguida através da realização de enxerto gengival autógeno livre ou, mais frequentemente, através de um enxerto de tecido conjuntivo gengival.

De acordo com a literatura científica consultada, a realização de procedimentos de enxertos de tecido conjuntivo além de ser considerada a técnica padrão pela sua previsibilidade e alto índice de sucesso e se faz uma importante ferramenta na proservação do complexo periimplantar tanto significado a definição higidez dos tecidos.
Este contexto teórico foi conduzido no dia 13 e 14 de julho de 2018 na IMAXI Joinville para turma de especialização em implantodontia pelo Diretor cientifico da DSP Biomedical o Doutorando em implantodontia Ricardo Toscano. Na parte laboratorial hands-on dos implantes da referida empresa complementou esta imersão.

Buser D., Martin W., Belser U. (2004). Optimizing esthetics for implants restaurations in the anterior maxilla: anatomic and surgical considerations. Journal of Oral Maxillofacial Surgery, Suppl.(19), pp 43-61.
Romanos G.E., et alii. (2010). Biologic Width and morphology characteristics of soft tissue around immediately loaded implants: studies performed on human autopsy specimens. Journal of Periodontology, 1(81), pp.70-8.
Muller H.P. (2000). Masticatory mucosa in subjects with different periodontal phenotypes. Journal of Clinical Periodontology, 27, pp. 621-6.
Nemcovsky C.E., Moses O., Artzi Z.(2000). Interproximal papillae reconstruction in maxillary implants. Journal of Periodontology, 2(17), pp.308-14.
Saadoun A., Legall M., Touati B. (2004). Current trends in implantology: part II – treatment planning, aesthetic considerations, and tissue regeneration. Practical Procedures & Aesthet Dentistry, 10(16), pp. 707-14.
Schrott A.R., et alii. (2009). Five-year evaluation of the influence of keratinized mucosa on peri-implant soft-tissue and stability around implants supporting full-arch mandibular fixed prostheses. Clinical Oral Implants Research, 10(20), pp.1170-7

Comentários

comentários