Higidez dos tecidos periimplantares e a relação com a geometria dos implantes DSP Biomedical em diferentes graus de morse.

A longevidade dos implantes nas reabilitações orais está relacionada com a estabilidade dos tecidos peri-implantares. Esta longevidade denomina-se higidez dos tecidos peri implantares, que se caracteriza pela à ausência de alterações dos sinais clínicos e radiográficos.

Quanto aos sinais clínicos avalia-se prejuízos estéticos quanto a cor e forma dos tecidos moles e por estabilidade da preservação do complexo osso/implante enquanto a permanência do implante em função. Quanto aos sinais radiográficos as revisões literárias relatam as mudanças na altura da crista óssea após sua ativação essas alterações podem ter por fatores como: distância biológica, infiltrados de células inflamatórias, distâncias da junção componente/ implante da crista óssea, biótipo gengival  e concentração de tensão devida à carga oclusal. Para minorar surge a proposta dos  implantes de plataforma cone morse quando utilizam componentes com plataforma switching tem em seu conceito evitar a reabsorção da crista óssea. Esta concepção usa componentes de menor diâmetro em relação à plataforma do implante, associado ao  selamento bacteriano provocado pelo efeito morse entre o componente e o implante.

Para esse conceito ficar completo deve-se considerar o posicionamento do implante, seu contato no leito ósseo, influência da espessura da mucosa peri-implantar, tensão mecânica na crista alveolar e distância biológica e restauração da zona estética.

A conicidade interna do implante pode apresentar diferentes graus possibilitando uma compreensibilidade no assentamento passivo das próteses com o objetivo de evitar deformidades estéticas, problemas fonéticos, aumento da colonização bacteriana subgengival e impactação alimentar lateral.

A DSP Biomedical  em sua linha comercial apresenta  implantes com diferentes graus de morse interno , CMI (cone morse indexado) com 11 graus de morse, HIM (hexágono interno morse) com 22 graus de morse e CMH (cone morse hexagonal) com 40 graus de morse. Estes implantes alem de diferentes graus de morse apresentam desenhos externos distintos com de roscas de propriedades mecânicas especificas com objetivo de aplicação nas múltiplas classificações de densidade óssea. Estas modificações se objetivam a atingir a alta performance  da resposta mecânica e biologia dos implantes aplicados para suporte da reabilitação protética.

Dentro deste contexto aconteceu no dia 30 de março de 2017 na UNIFLU (Centro Universitário Fluminense) na cidade de Campos de Goytacazes- RJ no curso de especialização em implantodontia tendo como coordenador Prof. Dr. Théssio Miná Vago e como professores Prof. Rodrigo Corral, Prof. Ricardo Amorim e Prof. Lucas Sardinha. O curso teórico prático conduzido pelo Diretor científico da DSP Biomedical  Prof. Msc Ricardo Toscano constou  hands on com toda linha de implantes DSP Biomedical  finalizando com apresentação do sistema FiTGuide e fluxo de trabalho para cirurgia guiada e  hands on com guias da empresa P3 dental.

01

 

Referências

  1. Szmukler-Moncler S, Piattelli A, Favero GA, Dubruille JH. Considerations preliminary to the application of early and immediate loading protocols in dental implantology. Clin Oral Implants Res 2002; 11(1):12-25.
  1. Cunha HA, Francischone CE, Nary Filho H, Oliveira RCG. A comparison between cutting torque and resonance frequency in the assessmen of primary stability and final torque capacity of standard TiUnite single-tooth implants under immediate loading. Int J Oral Maxillofac Implants 2004; 19(4):578-85.
  1. Nikellis I, Levi A, Nicolopoulos C. Immediate loading of 190 endosseous dental implants: a prospective observational study of 40 patient treatments with up to 2-year data.Int JOral Maxillofac Implants 2004; 19(1):116-23.
  1. Mozzatti M, Monfrin SB, Pedretti G, Schierano G, Basi F. Immediate loading of maxillary fixed prostheses retained by zygomatic and conventional implants: 24-month preliminary data for a series of clinical case reports. Int J Oral Maxillofac Implants 2008; 23(2):308-14.
  1. Cornelini R, Cangini F, Covani U, Barone A, Buser D. Immediate restoration of single-tooth implants in mandibular molar sites: a 12-month preliminary report. Int J Oral Maxillofac Implants 2004; 19(6):855-60.
  1. Ottoni JMP, Oliveira ZFL, Mansini R, Cabral AM. Correlation Rev Odontol Bras Central 2010;18(48):26-29 Influência da Técnica Cirúrgica e da Forma do Implante na Estabilidade Primária Pesquisa 29 between placement torque and survival of single-tooth implants. Int J Oral Maxillofac Implants 2005; 20(5):769-76.
  1. Misch CE. Densidade óssea: um determinante-chave para o sucesso clínico In: Misch CE. Prótese sobre implantes. São Paulo: Editora Santos; 2006. p. 130-41.
  1. Dos Santos MV, Elias CN, Cavalcanti JH. Efeito da forma e da rugosidade superficial na estabilidade primária de implantes osseointegráveis. Rev Dental Press Periodontia Implantol 2007; 3(2):73-83.
  1. Sakoh J, Wahlmann U, Stender E, Al-Nawas B, Wagner W. Primary stability of a conical implant and a hybrid, cylindric screw-type implant in vitro. Int J Oral Maxillofac Implants 2006; 21 (4):560-66.
  1. Tabassum A, Meijer GJ, Wolke JGC, Jansen JA. Influence of the surgical technique and surface roughness on the primary stability of an implant in artificial bone with a density equivalent to maxillary bone: a laboratory study. Clin Oral Impl Res 2009; 20(4):327-32.

Comentários

comentários