A Influência do desenho do intermediário protético na estabilidade da  interface osso implante

Desde as primeiras pesquisas de BRANEMARK, principalmente depois da introdução dos chamados implantes osseosintegráveis de titânio a partir de 1969, a implantodontia pode ser considerada uma das especialidades que mais tem se desenvolvido dentro da Odontologia.

A absorção das forças produzidas pela mastigação pode sofrer variação de acordo com o tipo de implante usado, o número de implantes instalados, pacientes total ou parcialmente edêntulos e consequentemente o tipo de prótese e intermediário protético selecionado para a reabilitação, cabe ressaltar também, que o maior grau de angulação das cúspides potencializam a sobrecarga nos componentes dos implantes.

Em razão da existência da incidência de afrouxamento e fratura do parafuso de retenção da prótese, o desenvolvimento de diferentes projetos de implantes e intermediários é racional para oferecer melhor estabilidade biomecânica a estes conjuntos. Vários fatores podem induzir instabilidade do parafuso como pré-carga inadequada, parafuso e desenho da prótese, sobre carga oclusal, e elasticidade óssea. Com o aumento da aplicação da prótese sobre implante, as configurações dos implantes foram alteradas para evitar rotação da prótese. Isso levou os fabricantes a desenvolverem diferentes tipos de parafusos de retenção mudando o tipo de material as dimensões e geometria para que possam suportar torques mais elevados, aumentar a precisão do hexágono e criar novos projetos da interface implante/pilar protético. A avaliação do estresse da interface osso – implante- pilar é muito importante para o desenvolvimento de novos modelos de plataformas protéticas e para que ocorra distribuição das cargas em um nível biologicamente aceitável. Biomecanicamente, as uniões devem reduzir a tensão sobre os componentes protéticos e na interface osso implante e fornecer adequada estabilidade protética. A DSP Biomedical por esta razão, oferece comercialmente intermediários de diferentes design e medidas de suas plataformas protéticas  que permitam restauro protético maximizando a manutenção hígida do complexo periimplantar.

A  Tese apresentada à Faculdade de Odontologia do Campus de Araçatuba- UNESP, para obtenção do título de ” Doutor em Odontologia”- Área de concentração em Implantodontia orientada pelo  Prof. Adj. Wirley Gonçalves Assunção defendida por Eduardo Francisco de Souza Faco com o título : Avaliação da resistência à fratura e tensões em diferentes implantes e conexões protéticas: Análise in vitro e MEF-3D pode estudar a toda essa relação descrita acima com os componentes e implantes da DSP Biomedical.

Flexcone Mini Flexcone Mini pilar anguladoMini pilar


3- Mini Implante Flexcone

Leia a tese em sua integra acessando:

https://alsafi.ead.unesp.br/bitstream/handle/11449/103322/000736740.pdf?sequence=1&isAllowed=y


Albrektsson T, Branemark PI, Hansson HA, LIndstron J.Osseointegrated titanium implants. Requirements for ensuring a long-lasting, direct bone-to-implant anchorage in man. Acta Orthop Scand. 1981;52(2):155-70.
Berglundh T, Persson L, Klinge B. A systematic review of the incidence of biological and technical complications in implant dentistry reported in prospective longitudinal studies of at least 5 years. J Clin Periodontol. 2002;29 Suppl 3:197-212; discussion 232- 3. Review.
Coppedê AR, Bersani E, de Mattos Mda G, Rodrigues RC, Sartori IA, Ribeiro RF. Fracture resistance of the implant-abutment connection in implants with internal hex and internal conical connections under oblique compressive loading: an in vitro study. Int J Prosthodont. 2009;22:283–86.
Falcon-antenucci. Evaluation of stress distribution on the implant/crown interface Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-fac., 2008; 8(3): 49 – 56.
Freitas-junior AC, Almeida EO, Bonfante EA, Silva NR, Coelho PG. Reability and failure modes of internal conical dental implant connections. Clin Oral Implants Res.2013; 2:45-52
Garcia JDO. Parafusos de Pilar utilizados em implantes Dentários. 2006. 122p. Dissertação de mestrado – Universidade Federal de Uberlândia.
Hoyer SA, Stanford CM, Buranadham S, Fridrich T, Wagner J, Gratton D. Dynamic fatigue properties of the dental implant-abutment interface: joint opening in widediameter versus standard-diameter hex-type implants. J Prosthet Dent. 2001 Jun;85(6):599-607.
Khraisat A, Stegaroiu R, Nomura S, Miyakawa O.Fatigue resistance of two implant/abutment joint designs. J Prosthet Dent. 2002 ;88(6):604-10
Massaro C.; Rotolo P.; DE Riccardis F.; Milella E.; napoli A.;Wieland M. Comparative investigation of the surface properties of commercial titanium dental implants. Part I: chemical composition. J. Mater. Sci. Mater. Med., London. 2002; 13(6): 535-48.
Maeda MG, Satoh T, Sogo M. In vitro differences of stress concentrtions for internal and externa hex implant-abutment connections: a short communication. Journal of Oral Reahabilitation 2006, 33:75-8. Misch CE, Bidez MW, Sharawy M. A bioengineered implant for a predetermined bone cellular response to loading forces. A literature review and case report. J Periodontol 2001;72:1276-86.
Petrie CS, Wiliams JL. Comparative evaluation of implant designs: influence of diameter, length, and taper on strains in the alveolar crest. A threedimensional finiteelement analysis. Clin Oral Impl Res.2005; 16(4): 486-94.
Toniollo MB , Macedo AP , RC Rodrigues , Ribeiro RF , Mattos MD .A threedimensional finite element analysis of stress distribution on the surface of morse taper implants.J Prosthodont Res. 2013; 3(13):1883-958
Tsuge T, Hagiwara Y. Influence of lateral-oblique cyclic loading on abutment screw loosening of internal and external hexagon implants. Dent Mater J. 2009;28:373-81.

Comentários

comentários