DSP Biomedical incentiva projetos de pesquisas na instituição UNESP Araçatuba

Metodologia científica é um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição objetiva do conhecimento, de uma maneia sistemática. Conceito de pesquisa, significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas, podemos estender este conceito para realização de uma investigação planejada, desenvolvida e redigida de acordo com as normas da metodologia consagradas pela ciência.

As pesquisas aplicadas utilizam os conhecimentos adquiridos para aplicação prática voltadas para a solução de problemas concretos da vida moderna. Os tipos de pesquisa podem ser classificados segundo a área da ciência, a natureza, aos objetivos, aos procedimentos ao objeto e forma de abordagem. Pode ser classificada também quanto a área da ciência (teórica, metodológica, empírica e prática),quanto a natureza (trabalho científico original, resumo de assunto) e quanto aos objetivos (explicativa e descritiva).

Quanto aos procedimentos temos pesquisa de campo e pesquisa de fonte de papel e finalmente quanto ao objeto pesquisa bibliográfica e pesquisa de laboratório (pesquisa de campo).

Quanto a forma de abordagem a pesquisa quantitativa e pesquisa qualitativa. As modalidades de pesquisa podem ser exploratórias, teórica e aplicada. A modalidade exploratória tem por objetivo a caracterização inicial do problema, sua classificação e de sua definição. Constitui o primeiro estágio toda pesquisa científica. A modalidade teórica objetiva ampliar generalizações, definir leis mais amplas, estruturar sistemas e modelos teóricos, relacionar e enfeixar hipóteses. A modalidade aplicada tem como objetivo investigar, comprovar ou rejeitar hipóteses sugeridas pelos modelos teóricos.

Quanto à forma de abordagem temos a pesquisa quantitativa que traduz em números as opiniões e informações para serem classificadas e analisadas e utilizam-se técnicas estatísticas. As pesquisas qualitativas são descritivas e as informações obtidas não podem ser quantificáveis e os dados obtidos são analisados indutivamente e a interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa.

Quanto a classificação dos estudos os transversais descrevem indivíduos de uma população com relação às suas características pessoais e suas histórias de exposição e fatores causais suspeitos, os estudos de caso controle seleciona um grupo que tem uma característica de interesse e se compara com outro grupo que não possui essa característica, e o estudo corte recruta-se grande número de indivíduos e os dividem em dois grupos, conforme eles tenham ou não sido exposto ao fato casual suspeito. Depois de um período, conta-se os indivíduos que adquiriram a doença em estudo.

Inserido no programa de pós graduação na UNESP Araçatuba que ocorreu no dia 4, 5 e 6 de junho de 2018 a disciplina de linhas de pesquisas. Dentre alguns projetos apresentados pelos mestrandos doutorandos aos docentes da instituição, a DSP Biomedical irá incentivar alguns projetos cedendo materiais descritos nos pré-projetos apresentados ao departamento científico desta empresa.

Dentre os projetos apresentados destacamos o projeto do Diretor científico da DSP Biomedical Msc. Dr. Ricardo Toscano que em nível de doutorado com o escopo de análise de caracterização de superfícies de implantes.
Logo UNESP Araçatuba - Faculdade de odontologia Apresentação do programa de pesquisa da UNESP – Araçatuba

UNESP Câmpus Araçatuba: http://www.foa.unesp.br/

DSP Biomedical: http://dspbiomedical.com/

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Referências bibliográficas. NBR 6023. Rio de Janeiro, 2000.

—. Numeração progressiva das seções de um documento. NBR 6024. Rio de Janeiro, 1989.

—. Sumário. NBR 6027. Rio de Janeiro, 1989.

—. Apresentação de originais. NBR 12256. Rio de Janeiro, 1992.

—. Apresentação de citações em documentos. NBR 10520. Rio de Janeiro, julho/2001.

—. Apresentação de artigos em publicações periódicas. NBR 6022. Rio de Janeiro, 1994.

BACHELARD, Gaston. O novo espírito científico. Rio de Janeiro : Tempo Brasileiro, 1968. —. Epistemologia. Rio de Janeiro : Zahar, 1977.

—. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro : Contraponto, 1996.

CAMPBELL, D.T., STANLEY, J.C. Delineamentos experimentais e quase-experimentais de pesquisa. São Paulo : EPU/EDUSP, 1979.

HEGENBERG, Leônidas. Etapas de investigação científica. São Paulo : EPU/EDUSP, 1976, 2 v.

RUMMEL, Francis J. Introdução aos procedimentos de pesquisa em educação. Porto Alegre : Lima, 1974.

WEATHERALL, M. Método científico. São Paulo : Polígono, 1970.

Comentários

comentários