Odontologia de cunho social

Implantodontia adquire caráter humanitário em trabalho desenvolvido pelo profissional Reginaldo Miglioranza

 

Entrevista - ReginaldoO Ortodontista Reginaldo Miglioranza iniciou sua carreira como clínico geral e ingressou na Implantodontia há exatos 28 anos. Sua história de vida pessoal fez com que optasse pelo atendimento de desdentados, trabalho de cunho social que realiza até hoje em sua clínica, localizada em Campinas (SP). Conheça um pouco mais sobre o profissional na entrevista abaixo:

 

DSP Connect – Por que o senhor resolveu focar seu trabalho na reabilitação de “desdentados”?

Reginaldo Miglioranza – Minha mãe era desdentada e o meu sonho era reabilitá-la, pois usava dentadura e fui para a Implantodontia na tentativa de devolver a ela uma vida melhor.

 

DSP Connect – Seu trabalho tem um cunho social, visto que o senhor atende pacientes com baixo poder aquisitivo e problemas muito graves. A realização profissional é maior desenvolvendo um trabalho voltado a este público?

RM – Posso dizer que sou um dentista altamente realizado, tanto como profissional quanto como pessoa.

 

DSP Connect – Um diferencial é que o senhor faz o tratamento de forma muita eficiente e rápida, levando entre 3 e 4 dias. Como isso ocorre?

RM – Fazemos com carga imediata nos implantes zigomáticos e isto é de nossa autoria conforme publicado em 2006 após vários casos. Tínhamos certeza que o osso do zigomático é de excelente qualidade e, após 13 anos, temos um índice de sucesso de 97,97%.

 

DSP Connect – A cirurgia zigomática exige grande know how da equipe de dentistas? Qual a preparação necessária para executar esta técnica?

RM – Essa afirmação não é verdadeira. Uma cirurgia de implantes zigomáticos é muito mais simples e previsível do que uma cirurgia de enxertos ósseos (Crista Ilíaca, Calota Craniana), que são as únicas alternativas para este tipo de paciente. O grande problema está na curva de aprendizado dos cirurgiões dentistas, que acham que por serem experts em instalação de implantes convencionais, podem utilizar esta técnica para a reabilitação de pacientes sem o mínimo de aprendizado.

 

DSP Connect – Como o senhor avalia o material desenvolvido pela DSP Biomedical? De que forma ele colabora com a execução de seu trabalho diário?

RM – Eu avalio de forma excepcional, porque eu tenho vários designs de implantes (para osso mole ou duro), (cilíndrico ou cônico) e todos com hexágono externo e plataforma de 4.1, que é o ideal para trabalhar com maxilas atróficas, devidos às várias posições de trabalho e por ser fácil para qualquer dentista em uma possível emergência.

 

DSP Connect – Como o senhor avalia as mudanças tecnológicas e seu impacto (positivo e negativo) na Odontologia?

RM – Isso é de suma importância, pois existem vários tipos de osso e, obviamente, devemos ter vários tipos de implantes. Também é preciso que nós, profissionais, nos reciclemos a cada dia, para que tenhamos possibilidade de enfrentar qualquer situação atribuída pelo paciente, que está mais voltado à parte funcional do que à parte estética.

 

DSP Connect – Por fim, como o senhor vê o futuro da Implantodontia?

RM – Em minha opinião, a Implantodontia passou a ser o coração da Odontologia.

 

 

Comentários

comentários