Reabilitação Total Superior com Elementos Individualizados – Passo a Passo

A paciente procurou atendimento odontológico particular com objetivo de melhora de estabilidade de sua prótese superior.

A paciente relata que “quando fala a prótese esta caindo, quando esta a mesa alimentando-se com a família se sentia mal, pois tinha a sensação que estava incomodando”, ela também sentia algumas restrições no convívio social.

Devido a limitações anatômicas e limitações funcionais para confecção de uma prótese que atenda sua expectativa sugeriu-se o estudo para possível implantes. Após seu entendimento e consentimento foi realizado avaliação clinica e anamnese no momento da solicitação do exame radiográfico do tipo tomografia e exames pré-operatório tipo hemograma completo e risco cirúrgico.

Esses exames atestaram um estado de saúde estável e sem distúrbios sistêmicos. Os exames radiográficos apresentam uma maxila com disponibilidade óssea para execução de implantes, em cima deste diagnostico o planejamento proposto e posteriormente acordado pelo paciente foi de implantes individualizados, pois o sistema de dentes suportados por barra foi abolido pela paciente.

O preparo da guia cirúrgica baseou-se na imagem tomográfica adquirida e modelo físico implementado pelo planejamento reverso. Foi planificado instalação de doze implantes com o objetivo de maximizar a estabilidade mecânica da reabilitação e sua longevidade. Realizou-se a instalação dos implantes da marca DSP Biomedical de plataforma Cone Morse com montador (profissional optou a este modelo ao cone morse indexado). Após período de 4 meses de espera com a prótese provisória cimentada e manipulação de tecido mole executou-se a confecção das próteses definitivas, seguindo os passos de uma reabilitação protética sobre implantes.

01

Visão inicial

02

Arcada Superior

03

Arcada Inferior

04

Imagem radiográfica inicial

05

Guia Cirúrgico

06

Guia Cirúrgico

07

Leito ósseo

08

Guia cirúrgico posicionado, estabilizado por parafuso de enxerto

09

Fresagem

10

Leito ósseo fresado

11

Visão oclusal do leito ósseo fresado

12

Visão geral dos Implantes Cone Morse montados

13

Implantes com tapa implantes (carga tardia)

14

Sutura

15

Alívio da prótese para aprovisionamento provisório removível

16

Provisório instalado

17

Imagem radiográfica com implantes instalados

18

Reabertura com cicatrizadores

19

Instalação dos pilares 3.3

20

Visão oclusal pilares 3.3

21

Visão dos pilares 3.3 instalados – lado esquerdo

22

Visão dos pilares 3.3 instalados – lado direito

23

Preparo da prótese total para provisório fixo sobre pilares

24

Provisório fixo sobre implantes confeccionado

25

Provisório instalado sobre pilares

26

Visão oclusal dos pilares instalados durante manipulação tecidual

27

Visão vestibular dos pilares após manipulação tecidual

28

Prova dos coppings metálicos – visão oclusal

29

Prova dos coppings metálicos – visão vestibular

30

Coroas metalo cerâmica sobre análogos – visão vestibular

31

Coroas metalo cerâmica sobre análogos – visão oclusal

32

Coroas cimentadas – visão vestibular

33

Coroas cimentadas – visão oclusal

34

Coroas superiores cimentadas + pilares inferiores

35

Visão macro dos pilares inferiores

36

Visão oclusal dos pilares inferiores

37

Visão de perfil

38

Sorriso espontâneo

39

Visão de perfil

40

Perfil

41

Sorriso social

42

Sorriso social make

43

Imagem radiográfica final

 

Conclusão

O objetivo deste relato é salientar a necessidade de um planejamento prévio, minimizando a dissonância cognitiva sobre o tratamento, assim podemos equilibrar a expectativa do paciente com os custos dos implantes, componentes, próteses e honorário profissional para que uma reabilitação seja viável aos lados envolvidos.

Comentários

comentários